Como fica o crédito após a surpreendente redução da Selic

Distância entre a Selic e os juros do crédito ao consumidor é tão grande que o impacto da decisão do BC nos financiamentos é mínimo

São Paulo – A decisão do Banco Central (BC) de reduzir a taxa Selic para 12% ao ano pegou o mercado de surpresa. Entretanto, apesar do alvoroço, quando o assunto são as operações de crédito, o barulho tende a ser menor. Segundo cálculos Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a redução da taxa básica de juros, apesar de brusca, vai mexer pouco com as taxas de financiamentos.

A maior variação atinge o financiamento de automóveis e outros bens duráveis. Os juros da modalidade de crédito via CDC ficam 1,69% menores. O impacto, na prática, é bem pequeno. Este efeito pode ser notado, por exemplo, no financiamento em 60 prestações de um automóvel que custa 25 mil reais.

Antes da redução da Selic, a taxa de juros desta compra era de 2,37% ao mês. As parcelas eram de 785,05 reais e o valor final do carro chegava a 47.103 reais. Com a nova Selic, os juros mensais caem para 2,33%. A prestação passa a ser de 777,79 reais e o valor total do bem, 46.667 reais.

A Anefac explica que o pequeno efeito no crédito tem relação com o fato de que há um deslocamento entre a taxa Selic e os juros cobrados de pessoa física (que, na média, ficam em 121,21% ao ano). Assim, há uma variação de mais de 800% entre as duas pontas.

Veja na tabela abaixo o impacto da queda da Selic no crédito.

Linha de crédito Taxas atuais (a.m.) Novas taxas (a.m.) Variação
Juros comércio 5,70% 5,66% -0,70%
Cartão de Crédito 10,69% 10,65% -0,37%
Cheque especial 8,27% 8,23% -0,48%
CDC Bancos 2,37% 2,33% -1,69%
Empréstimo Bancos 4,67% 4,63% -0,86%
Empréstimos Financeiras 9,34% 9,30% -0,43%
Taxa média 6,84% 6,80% -0,58%