China quer controlar investimento no exterior por fuga de capital

O Conselho Estatal deve anunciar em breve uma série de medidas para sujeitar os negócios no exterior a uma maior supervisão

Pequim – A China planeja impor controles mais rígidos sobre companhias chinesas que querem investidor no exterior, em um esforço para diminuir a forte onda de capitais que sai do país, afirmaram ao Wall Street Journal pessoas ligadas ao assunto.

Segundo elas, o Conselho Estatal deve anunciar em breve uma série de medidas para sujeitar os negócios no exterior a uma maior supervisão.

De acordo com trechos obtidos pelo Wall Street Journal, o Ministério do Comércio e a principal agência de planejamento econômico devem impor “controles estritos” sobre aquisições no exterior que sejam “muito grandes”, de US$ 10 bilhões ou mais, sobre estatais que planejam investir mais de US$ 1 bilhão em propriedades e sobre companhias chinesas que procuram injetar mais de US$ 1 bilhão em entidades que não são relacionadas com seu ramo de atuação principal.

Sob as atuais regras, as empresas que pretendem fazer esse tipo de transação apenas precisam registrá-las junto às autoridades.

A novidade sublinha a preocupação do governo em Pequim com a debandada de capitais, que acontece justamente em um momento em que os dirigentes gostariam de manter a economia estável para poderem tratar, com mais calma, da grande mudança das lideranças do Partido Comunista, prevista para o ano que vem. As novas regras caducariam em setembro do ano que vem.

Nos últimos meses, o yuan se enfraqueceu paulatinamente à medida em quem o investimento estrangeiro subiu. O volume investido no exterior cresceu mais de 50% nos primeiros nove meses do ano na comparação com o mesmo período do ano passado, para US$ 145,9 bilhões. Fonte: Dow Jones Newswires.