China cria porcos gigantes tão pesados quanto ursos polares

Suínos mais pesados estão sendo criados durante um período de crise no mercado chinês gerado pela peste suína

Em uma fazenda na região sul da China há um porco muito grande, tão pesado quanto um urso polar.

O animal de 500 kg faz parte de um plantel com porcos criados para serem gigantes. No abate, alguns porcos podem ser vendidos por mais de 10.000 yuanes (US$ 1.399), mais que o triplo da renda média mensal disponível em Nanning, capital da província de Guangxi, onde mora Pang Cong, o dono da fazenda.

Enquanto os porcos de Pang podem ser um exemplo extremo de até onde produtores podem ir para resolver o problema de escassez de carne suína da China, a ideia do “quanto maior melhor” está se espalhando por todo o país, maior consumidor de carne de porco do mundo.

Os altos preços da carne suína na província de Jilin, no nordeste do país, levam produtores a criar porcos que alcancem peso médio entre 175 kg e 200 kg, acima do peso normal de 125 kg. Querem criá-los “o maior possível”, disse Zhao Hailin, um produtor de suínos da região.

A tendência também não se limita às pequenas fazendas. Os principais produtores de proteínas da China, que incluem Wens Foodstuffs, maior criador de suínos do país, Cofco Meat e Beijing Dabeinong Technology dizem que estão tentando aumentar o peso médio de seus porcos.

Grandes fazendas estão focadas em aumentar o peso dos animais em pelo menos 14%, disse Lin Guofa, analista sênior da consultoria Bric Agriculture Group.

O peso médio dos porcos no abate em algumas fazendas de grande porte chegou a 140 kg, em comparação com os 110 kg habituais, disse Lin. Esse peso pode aumentar os lucros em mais de 30%, disse.

Suínos mais pesados estão sendo criados durante um período de crise no mercado chinês.

Como a peste suína africana dizimou o plantel de porcos do país pela metade, segundo algumas estimativas, os preços da carne de porco subiram para níveis recordes, levando o governo a instar agricultores a aumentar a produção para controlar a inflação.

No atacado, os preços da carne de porco na China subiram mais de 70% este ano, enquanto os estoques de suínos despencaram 39% em agosto na comparação anual.

O vice-primeiro-ministro chinês Hu Chunhua alertou que a situação da oferta permanecerá “extremamente grave” até o primeiro semestre de 2020.

O déficit de suínos na China está estimado em 10 milhões de toneladas este ano, mais do que o disponível no comércio global, o que significa que o país precisa aumentar a produção no mercado interno, disse.

(Com a colaboração de Jeff Black e Alfred Cang).