China aplica nova taxa a automóveis de luxo

A nova taxa é aplicada a veículos com preço que supere 1,3 milhão de yuanes (187.000 dólares)

A China aprovou uma taxa extra de 10% sobre a compra de automóveis de luxo, uma medida que pretende combater o estilo de vida ostensivo da elite política e econômica.

A nova taxa, aplicada a veículos com preço que supere 1,3 milhão de yuanes (187.000 dólares), entrou em vigor nesta quinta-feira.

O objetivo é estimular “um consumo racional” e promover os veículos que consomem menos combustível, segundo o ministério chinês das Finanças.

Recentemente, o presidente Xi Jinping criticou o modo de vida das personalidades políticas e dos grandes empresários.

Ao chegar ao poder, Xi Jinping iniciou uma campanha para combater a corrupção no Partido Comunista da China.

Nas redes sociais as críticas são cada vez maiores ao estilo de vida extravagante das autoridades do governo, dos parlamentares e seus parentes, com uma permanente ostentação da riqueza com automóveis, joias e roupas de luxo.

A conduta contradiz a imagem de austeridade, honestidade e sacrífico que Xi tenta estimular no Partido Comunista desde que chegou ao poder.

A nova taxa afeta em particular as marcas emblemáticas dos carros de superluxo – Ferrari, Rolls-Royce ou Lamborghini -, muito apreciadas na China.

Também afeta as marcas alemãs Mercedes e BMW.

A medida é aplicada justamente no momento em que a venda de carros de luxo voltava a aumentar, depois de ser afetada nos últimos anos pela campanha anticorrupção.

No segundo trimestre do ano, a Ferrari vendeu 160 automóveis, o que representa um aumento de 26%.

As marcas de luxo aproveitam também a boa dinâmica do mercado automobilístico que, em outubro, registrou alta de 18,7% nas vendas, de acordo com os fabricantes.