Carnaval: apesar da greve, comércio do Rio crê em alta nas vendas

Setor espera crescimento de 11% nas vendas no período e acredita que greve dos policiais não será problema

Rio de Janeiro – O comércio do Rio de Janeiro está otimista em relação ao carnaval e espera crescimento de 11% nas vendas no período da festa, em comparação com o carnaval de 2011. De acordo com pesquisa feita na última semana de janeiro pelo Centro de Estudos do Clube dos Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio), com 500 empresários do município, a projeção é aquecimento do setor. “É porque o Rio de Janeiro está vivendo um bom momento”, disse à Agência Brasil o presidente do CDL-Rio, Aldo Gonçalves.

Apesar da greve decidida ontem pelas associações de bombeiros e policiais civís e militares, ele garantiu que “o povo está animado”. Acrescentou que a cidade está cheia de turistas nacionais e estrangeiros que contribuem para incentivar e movimentar o comércio. “Eles trazem um bom astral para o Rio e eu acho que isso vai se refletir em bom resultado [nas vendas] no carnaval”.

De acordo com a pesquisa, fantasias e adereços deverão concentrar a maior parte das vendas (44%), seguidos de roupas de verão, como bermudas e camisetas (32%) e a chamada linha praia, que inclui maiôs, biquinis e cangas (12%).

Aldo Gonçalves não crê que a paralisação dos profissionais da área de segurança pública possa comprometer o carnaval no Rio de Janeiro. “O governador anunciou aumento de 39% para as categorias e, ao mesmo tempo, está agindo com firmeza ao prender o cabo dos bombeiros que estava estimulando o vandalismo. Isso vai arrefecer esse estado de espírito de fazer greve”.

Mais de 60% dos lojistas disseram ter contratado mais funcionários temporários para o período do carnaval. As empresas estimulam os foliões com promoções, descontos e facilidades para pagamento. Segundo Gonçalves, o turismo é responsável por 65% das vendas no período de carnaval.