Brent tem mínima de 9 meses apesar de guerras

Suprimentos estáveis dissipavam preocupações sobre potenciais interrupções de produtores, incluindo Iraque e Líbia

Rio de Janeiro – O petróleo Brent caiu para menos de 104 dólares o barril nesta terça-feira, tocando seu nível mais baixo em nove meses, com suprimentos estáveis dissipando preocupações sobre potenciais interrupções de produtores, incluindo Iraque e Líbia.

A Agência Internacional de Energia (AIE) disse que, embora a situação em vários países produtores “permaneça mais em risco do que nunca”, os suprimentos são amplos e a Bacia do Atlântico está enfrentando excesso.

A produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) cresceu 300 mil barris por dia (bpd) para o maior patamar em cinco meses, de 30,44 milhões bpd, em julho, disse a Opep, citando ganhos na Arábia Saudita e Líbia.

“Olhando para o lado físico das coisas, especialmente para o Brent, há altos estoques na Bacia do Atlântico neste momento, e isso é que está segurando os ganhos”, disse Ankit Pahuja, estrategista de commodities do banco de investimentos ANZ.

O Iraque, que já lutava contra militantes do Estado Islâmico no norte do país, na segunda-feira nomeou um novo primeiro-ministro, dando início a um confronto político em Bagdá, com o titular Nuri al-Maliki, que se recusa a deixar o cargo.

Mas os mercados de petróleo não estavam reagindo a esses conflitos, como ainda não houve rupturas de abastecimento, disse Pahuja da ANZ.

O Brent com vencimento em setembro caía 1,10 por cento, para 103,53 dólares o barril, às 10h (horário de Brasília), após tocar o nível mais baixo desde novembro de 2013.

Já o petróleo nos Estados Unidos caía 0,9 por cento, para 97,17 dólares por barril.