Brecha entre ricos e pobres é pior na China do que nos EUA

Segundo pesquisa, medida da desigualdade da receita quase dobrou na China entre 1980 e 2010 e agora indica uma disparidade “severa”

Washington – A diferença entre a receita de ricos e pobres na China superou a dos EUA e está entre as maiores do mundo, de acordo com um relatório publicado ontem.

Uma medida comum da desigualdade da receita quase dobrou na China entre 1980 e 2010 e agora indica uma disparidade “severa”, de acordo com pesquisadores da Universidade de Michigan. Isso concorda com o que a maioria dos chineses já afirmam: em uma pesquisa de 2012, eles classificaram a desigualdade como o principal desafio social do país, acima da corrupção e do desemprego, segundo o relatório.

“Os chineses identificam a desigualdade como um problema social sério; por outro lado, parece que eles têm uma alta tolerância à desigualdade de renda”, disse Yu Xie, um dos autores, que é professor de sociologia e pesquisador no Instituto de Pesquisa Social Ann Arbor, da universidade, em Michigan. “Eles não gostam disso, mas parecem aceitar como uma realidade da vida. Algo que eles precisam pagar pelo rápido crescimento econômico”.

Usando dados de seis pesquisas realizadas por cinco universidades na China, entre 2010 e 2012, os pesquisadores calcularam uma medida da desigualdade da receita, o coeficiente Gini, e realizaram comparações com as estimativas anteriores.

Em 2010, o coeficiente Gini para a receita de uma família era de aproximadamente 0,55, frente a 0,45 nos EUA. Em 1980, a medida na China era de 0,30. Um coeficiente de 0,5 ou mais indica uma brecha severa entre os ricos e os pobres, de acordo com o relatório, que também disse que o governo chinês deixou de publicar os dados no ano 2000, quando a medida chegou a 0,41.

Coeficiente Gini

Uma medida igual a zero significa que toda a renda é igualmente distribuída, e 1 representa uma concentração absoluta.

“Desde a década de 1980, o aumento da desigualdade se tornou muito mais significativo na China do que nos EUA”, escreveram os pesquisadores.

A crescente brecha coincidiu com décadas de rápido desenvolvimento econômico na China. As políticas do governo que favorecem os moradores de zonas urbanas em detrimento dos habitantes de zonas rurais, e as regiões litorâneas em detrimento do interior, contribuíram para o rápido aumento da diferença na China, de acordo com o relatório.

A China está criando mais milionários do que qualquer outra economia emergente, de acordo com o Relatório sobre riqueza na região Ásia-Pacífico de 2013, da Capgemini e RBC Wealth Management, que colocam suas classificações em 643.000, 14,3 por cento a mais do que em 2012.

A pesquisa da Universidade de Michigan será publicada on-line durante esta semana, na revista PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences).