Crescimento do Brasil pode desabar com Trump presidente

Trump presidente faria o crescimento cair de 0,97% para 0,49% em 2017 e de 1,83% para 1,53% em 2018, segundo consultoria

São Paulo – O Brasil seria um dos países mais afetados por uma vitória de Donald Trump, de acordo com a Euromonitor.

A consultoria divulgou recentemente uma estimativa do impacto que a eleição do candidato republicano teria sobre o PIB de países selecionados.

No caso do Brasil, a taxa de crescimento seria meio ponto percentual menor do que no cenário-base, com vitória de Hillary Clinton.

Trump presidente faria o crescimento cair de 0,97% para 0,49% em 2017 e de 1,83% para 1,53% em 2018.

De uma forma ou de outra, a consultoria está menos otimista em relação ao Brasil do que a média do mercado – que segundo o Boletim Focus, espera crescimento de 1,2% no ano que vem.

Outros países seriam ainda mais afetados, como o México (corte de 0,85 ponto percentual) e Irlanda (corte de 0,79 ponto percentual).

Os primeiros países da lista são, não por acaso, grandes parceiros comerciais dos americanos.

A Irlanda manda para lá quase um quarto das suas exportações; México e Canadá são parte do NAFTA, acordo de livre comércio que Trump promete rever.

Trump também promete fazer o México pagar por um muro na fronteira, e a retórica incendiária já traz consequências concretas.

Uma análise recente do mercado financeiro feita por uma dupla de economistas verificou que quando as chances de Trump aumentam, o peso mexicano desaba e a volatilidade dispara.

Se ele ganhar, outras moedas de emergentes também devem perder valor – incluindo o real – e a incerteza deve causar aversão ao risco e inibir o investimento estrangeiro, essencial para a recuperação da economia brasileira.

Além disso, os EUA são o nosso segundo maior parceiro comercial e o México, o sétimo.

Resultado: a postura protecionista também acabaria batendo por aqui justo em um momento onde o Brasil, uma das grandes economias mais fechadas do mundo, mostra sinais tímidos de querer se abrir.

Mas ninguém sairia perdendo mais do que os próprios Estados Unidos: a Euromonitor estima que o crescimento do PIB do país cairia da faixa dos 2% para 0,3% em 2017 e 1% em 2018.

O plano fiscal de Trump prevê cortes de impostos com altas de gastos, o que faria explodir o déficit, e as restrições ao comércio e aos imigrantes aumentariam preços e fariam encolher a força de trabalho.

“Relações internacionais tensas também devem levar à perda de confiança, o que deprimiria o gasto do consumidor e o investimento das empresas”, diz o texto da analista Kotryna Tamoseviciene.

Até Trump sairia perdendo: sua eleição levaria a quedas fortes na receita até 2020 de setores onde ele atua, como imobiliário (US$ 384 bilhões a menos) e de hotelaria (US$ 70 bilhões a menos).

Vale lembrar que essa nem é o pior cenário possível, já que a consultoria está supondo que as propostas mais radicais de Trump acabariam diluídas pelo Congresso e pelo Senado.

Ainda assim, o estrago seria grande. Há uma semana, vencedores do Prêmio Nobel de Economia assinaram uma carta chamando Trump de “uma escolha perigosa e destrutiva para o país.”

Recentemente, o Wall Street Journal entrou em contato com 45 economistas que já passaram pelo Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca durante gestões republicanas e democratas.

Nenhum declarou apoio a Donald Trump; alguns afirmam que vão votar por Hillary Clinton e outros preferem não declarar nenhum apoio.

A eleição americana acontece nessa terça-feira e os resultados devem começar a aparecer durante a madrugada.

Hillary Clinton perdeu nos últimos dias uma parte da vantagem que mantinha contra Trump nas pesquisas, mas sua vitória continua sendo o cenário mais provável.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Roberto Sanchez

    ..”crescimento do brasil vai desabar?”…. Hellouuu… já desabou faz 3 anos… acorda aí redação… (saco cheio de esquerdiotice)

  2. ALESSANDRO BONGIOVANI TONELLI

    Mentira…

  3. Luciano Mattos

    Mais que mentira:)

  4. Não apareceu nenhum prêmio nobel dizendo que Lula e Dilma seriam ruins para nossa economia, olha onde estamos agora, Trump não é ruim para a economia, Trump é ruim para a esquerda e seus jornalistas a favor do stablisment.
    E aliás, já estamos no fundo do poço por méritos próprios, mr. Trump não tem nada com isso.

  5. Henrique Barbero

    Economia brasileira ja se encontra em depressão.

  6. Carlos Lira Asão

    E por causa disso nao pode cair mais ne? Quer falar de esquerdiotice ( palavra usada.por idiotas) e faz um comentário nada a ver desde.

  7. Frederico Evora Koroll

    Para cair não tinha que estar no alto?!

  8. Leandro Dorneles

    A que ponto chegamos anencefalos falando ainda de esquerda ou direita, outro ainda culpa a ma gestão anterior por tudo que vai acontecer no resto da vida dele ate se tropeçar a culpa e do pt, outros veem o pais afundado e querem que ele afunde mais… gente nivel de idiotice tem de ter limite. O pais tem de buscar crescer e se erguer e nao ficar culpando A ou B isso nao vai resolver nada.

  9. Falou tudo…

  10. Otonielr CHAGAS

    CLINTON LULA E DILMA para presidente dos USA… Esquerdistas

  11. Anselmo Castro

    Quem é a “Gente ” para falar da política alheia…sendo que nos mesmos aceitamos por varias vezes os políticos errados …não importa se de esquerda (pão com mortadela) ou direita (coxinha)…BAIXA ESSA BOLA …enquanto não aprendermos a escolher direito ou fazer o que é de correto…não poderemos opinar