Brasil e Argentina querem comércio fora da pauta do G20

Os dois países entendem que a melhor instância para qualquer decisão a respeito de protecionismo é a OMC e não o G20

São Petersburgo, Rússia – Brasil e Argentina debateram a recusa à renovação do acordo chamado Stand Still – iniciativa do G-20 para tentar barrar a adoção de medidas protecionistas – ao longo dos últimos meses.

Segundo um dos diplomatas que participaram do debate, os dois países entendem que a melhor instância para qualquer decisão a respeito desse assunto é a Organização Mundial do Comércio (OMC) e não o G-20.

Diplomata da área de comércio exterior e que participou das conversas entre os dois países disse ao Broadcast que Brasil e Argentina “entendem que o G-20 não é o ambiente mais adequado” para debater o comércio exterior mundial.

Por isso, explica, os dois países anunciaram ontem que são contrários à prorrogação do acordo em que grandes economias se comprometiam a não elevar alíquotas de importação e adotar outras medidas protecionistas.

“Os países querem deixar claro que a instância mais adequada para esse tema é a OMC. Não é o G-20”, disse o diplomata. Nos últimos anos, a Argentina ficou conhecida internacionalmente pelas medidas protecionistas que dificultam enormemente a entrada de produtos estrangeiros ao país.

Até livros e outras publicações foram alvo de medidas do governo Cristina Kirchner. No Brasil, alguns segmentos de importados foram duramente afetados durante a crise para incentivar a indústria nacional, como os automóveis.

Com o voto contrário dos dois países sul-americanos, não deve ser renovado o acordo costurado inicialmente em 2008 como uma maneira de impedir o estreitamento do comércio internacional diante de uma economia global em crise. A proposta rejeitada por brasileiros e argentinos queria estender o acordo até 2016.