Brasil cresce mais do que as principais economias do mundo

Para Augustin, país está crescendo mais do que em 2012, e perspectivas para o PIB são favoráveis, apesar da grande volatilidade internacional

Brasília – Apesar do baixo crescimento, a economia brasileira está se expandindo mais do que a média no mundo, disse hoje (26) o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin.

Segundo ele, o Brasil está crescendo mais do que em 2012, e as perspectivas para o Produto Interno Bruto (PIB) são favoráveis, apesar da grande volatilidade internacional. “Se esquecermos de avaliar o crescimento dos outros países, qualquer análise sobre a economia brasileira estará enviesada”, destacou o secretário.

Segundo projeções divulgadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), o Brasil encerrará 2013 com crescimento de 2,5%, no mesmo nível da Rússia e à frente da África do Sul e do Japão (2%), dos Estados Unidos (1,7%) e da zona do euro, que tem contração prevista de 0,6% do PIB. Entre as grandes economias, de acordo com o fundo, o Brasil está atrás do México (2,9%), da Índia (5,6%) e da China (7,8%) nas estimativas de crescimento.

Pela projeção do Ministério da Fazenda, divulgada na última segunda-feira (22), o PIB brasileiro deverá crescer 3% neste ano. O Banco Central, no entanto, prevê 2,7%. As duas estimativas foram reduzidas em relação às previsões anteriores, mas Augustin reiterou que o país teve um primeiro semestre bem melhor do que em 2012 e que encerrará 2013 com crescimento maior que a expansão de 0,9% registrada no ano passado.

Para o segundo semestre, o secretário disse que as perspectivas para a economia brasileira são favoráveis. Segundo ele, as medidas de estímulo – reduções de impostos para determinados segmentos da economia – tomadas pelo governo desde o fim do ano passado estão surtindo efeito. Além disso, o desemprego continua baixo.

Algumas medidas, ressaltou Augustin, só terão efeito no médio prazo, como a desoneração da folha de pagamento. “A desoneração da folha é uma medida estrutural, que não só gera emprego como aumenta a competitividade do país”, declarou.

A alta do dólar nos últimos meses, acrescentou o secretário, beneficiará o Brasil ao estimular as exportações. “Claro que o aumento do dólar tem impacto em um primeiro momento, mas provoca efeito positivo num segundo momento, porque o câmbio maior amplia a possibilidade de comércio internacional”, justificou. O secretário, no entanto, não quis mencionar quando começaria o segundo momento, nem cita um valor a partir do qual as vendas externas serão favorecidas.