Brasil contraria expectativa e fecha 43 mil vagas em março

Resultado representa uma piora ante o mesmo mês do ano passado, quando foram abertas 56.151 vagas

Brasília — O Brasil registrou fechamento líquido de 43.196 vagas formais de emprego em março, num resultado negativo que contrariou expectativas e foi puxado pela fraqueza no comércio, informou o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado nesta quarta-feira pelo Ministério da Economia.

Em pesquisa da Reuters, a expectativa era de abertura de 79 mil postos no mês. O desempenho também representou uma piora ante o obtido no mesmo mês do ano passado, quando foram criadas 56.151 vagas.

Em nota, o ministério da Economia justificou que o mês foi afetado por uma antecipação ocorrida em fevereiro, quando os dados surpreenderam positivamente.

“Os setores que normalmente admitiam nesta época do ano anteciparam as contratações para fevereiro, e aqueles que demitiam concentraram as demissões em março. O fato provocou tendências opostas entre os meses”, disse.

Dos oito setores pesquisados pelo Caged, o comércio respondeu pela pior performance em março, com fechamento de 28.803 vagas. Outros quatro setores ficaram no negativo, com destaque para agropecuária (-9.545 postos) e construção civil (-7.781).

No acumulado do primeiro trimestre, foram abertos 164,2 mil empregos, na série sem ajustes, abaixo dos 195,2 mil postos de igual período do ano passado.

Com a economia em ritmo lento de retomada e com as dispensas das vagas temporárias de fim de ano, a taxa de desemprego no Brasil subiu a 12,4 por cento no trimestre encerrado em fevereiro, conforme dados mais recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Refletindo o cenário de fraqueza econômica, o número de desempregados no período cresceu a 13,098 milhões de brasileiros.

Salário médio de admissão tem queda real de 0,51%

O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada teve alta real (descontada a inflação) de 0,12% em março ante fevereiro, para R$ 1.571,58, segundo o Caged. Na comparação com o mês de março do ano passado, no entanto, houve baixa de 0,51%.

No acumulado do primeiro trimestre de 2019, há ganho de 1,37% acima da inflação no salário médio de admissão.