Brasil cai em ranking, mas ainda tem um dos maiores juros reais do mundo

O país foi de oitavo para nono lugar após ter a Selic, taxa básica da economia, reduzida em 0,5 ponto percentual, para 5% ao ano

São Paulo – O Brasil caiu uma posição em ranking que reúne os juros reais de 40 países. O país foi de oitavo para nono lugar após ter a Selic, taxa básica da economia, reduzida em 0,5 ponto percentual, para 5% ao ano pelo Banco Central (veja no ranking abaixo).

O levantamento é divulgado a cada reunião do Comitê de Política Monetária do BC (Copom) pelo site MoneYou em parceria com a Infinity Asset Management.

A taxa de juros reais toma os juros nominais e subtrai a inflação projetada para os próximos 12 meses.

Em termos nominais, o Brasil fica na sexta colocação, empatado com a Indonésia, e acima de países como China e Colômbia.

A Selic deve cair mais meio ponto na última reunião do Banco Central do ano, em dezembro, para 4,5% ao ano, segundo indicação do Copom no comunicado divulgado nesta quarta-feira (30).

Com o maior juro real do mundo, o México ocupa a primeira posição do ranking, seguido de Índia, Malásia, Indonésia, Argentina, Rússia, Turquia e África do Sul.

As últimas posições ficam com Hungria, Holanda e Reino Unido.

Veja abaixo a lista de países com os maiores juros reais do mundo: