Bolsonaro tratará de acordo com o Mercosul em visita ao Japão

Brasil tem interesse em ampliar relações comerciais com Japão porque números das relações bilaterais estão em ritmo decrescente

São Paulo — O acordo comercial entre o Mercosul e Japão deve ser assunto da reunião entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na próxima quarta-feira, 23. As chances das negociações efetivamente avançarem, no entanto, são vistas como baixas até o momento.

Na avaliação de integrantes do governo brasileiro, é mais provável que um eventual pronunciamento sobre o início das tratativas fique para a visita de Shinzo Abe ao Brasil, em novembro.

O foco, agora, é a cerimônia de coroação do imperador do Japão, Naruhito, que acontece na terça-feira, 22. Também é considerada a possibilidade do anúncio ser substituído por um estudo oficial sobre um possível acordo nas próximas semanas, em tom mais discreto.

Ao chegar em Tóquio, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que ainda não sabe se será possível iniciar as negociações ou não, mas que o assunto está “adiantado”. “Não sei, não sei. Está adiantado”, avaliou.

Questionado sobre se está interessado em começar as negociações, Bolsonaro respondeu que “é lógico”. “É lógico que estou interessado, a Coreia do Sul também, os Estados Unidos. Está indo bem o Brasil”, declarou a jornalistas.

Veja também

O momento para o acordo é considerado propício, já que os japoneses encerraram recentemente as tratativas com os Estados Unidos. As conversas com o bloco de países sul-americanos, então poderiam ganhar espaço. A pauta positiva também viria em boa hora para o governo brasileiro.

Segundo o secretário de Negociações Bilaterais na Ásia, Pacífico e Rússia, embaixador Reinaldo José de Almeida Salgado, um estudo feito no Japão mostra que 97% da pauta exportadora do Japão para o Brasil está coberta no acordo Mercosul-UE.

“Se a gente não correr atrás, esse comércio tenderá a declinar. Por muito tempo, o Japão esteve envolvido no acordo com EUA, com dificuldade para se engajar em novas negociações. Pelo menos do nosso ponto de vista, não sei se da parte deles será o mesmo, agora é chegado o momento do Mercosul entrar na lista”, afirmou Salgado.

Além disso, o Brasil tem interesse em ampliar as relações comerciais com o Japão porque os números das relações bilaterais entre os países seguiram em ritmo decrescente nos últimos anos. No ano passado, o comércio do Brasil com o Japão totalizou cerca 8 bilhões de dólares, metade do que já foi em 2011.