BCE anunciará em outubro plano para reduzir compra de ativos

Pesquisa da Reuters também indica que a autoridade cortará o volume de compras a cada mês para 40 bilhões de euros a partir de janeiro

Bengaluru – O Banco Central Europeu (BCE) vai anunciar em outubro uma prorrogação de seis meses de seu programa de compra de ativos, mas cortará o volume de compras a cada mês para 40 bilhões de euros a partir de janeiro, de acordo com pesquisa da Reuters divulgada nesta sexta-feira.

A zona do euro obteve um desempenho mais forte recentemente do que em qualquer momento desde a crise financeira.

Isso tem alimentado expectativas de que o BCE começará a reduzir seu programa de afrouxamento quantitativo após mais de dois anos de compras de títulos, durante o qual adquiriu mais de 2 trilhões de euros em títulos de governo principalmente.

Pesquisa da Reuters realizada entre 11 e 14 de setembro aponta que a retomada do crescimento econômico será mantida ao longo do próximo ano. Mas a inflação não deve alcançar a meta do banco central de perto, mas pouco abaixo de 2 por cento até 2019 pelo menos.

O aumento do otimismo sobre a economia da zona do euro levou à alta do euro, criando um dilema para o banco central, pois isso tende a diminuir a inflação.

O presidente do BCE, Mario Draghi, disse em sua coletiva de setembro que o banco central estava analisando como reduzir seus 60 bilhões de euros de compras mensais de ativos e estará pronto com um plano até outubro.

Uma pesquisa da Reuters em 1° de setembro mostrou outubro como a data mais provável e agora os economistas estão quase unânimes. Apenas dois dos 52 entrevistados acham que o BCE vai esperar até dezembro, quando o programa atual está previsto para terminar.

Espera-se que o BCE anuncie uma extensão de seis meses para o programa, de acordo com o consenso de 39 economistas que responderam a uma pergunta adicional, levando o programa até o final de junho. As previsões variaram entre uma extensão de 3 a 12 meses.

“O exercício complicado para o BCE é anunciar que eles continuarão comprando em 2018, mas que vai reduzir gradualmente essas compras”, disse o economista-chefe da zona do euro no ING Financial Markets, Peter Vanden Houte. “Eles têm que apresentar isso de uma forma que seja percebida pelos mercados como ‘dovish’ em vez de ‘hawkish’.”

Perguntado sobre o montante da compra mensal do BCE a partir de janeiro, a mediana das respostas de um número similar de entrevistados foi de 40 bilhões de euros, abaixo dos atuais 60 bilhões. As previsões variam entre 30 e 50 bilhões de euro.

Perguntados sobre quando o BCE vai encerrar o programa completamente, 31 dos 33 economistas disseram que será no final do próximo ano, incluindo seis que disseram que pode se arrastar até o primeiro semestre de 2018. Os dois restantes disseram que as compras vão terminar em algum momento de 2019.