BC reduziu Selic de novo; o que acontece com o crédito?

Impacto da redução é mínimo; taxa do cartão de crédito, uma das maiores do mercado, cai de 10,69% ao mês para 10,65%

São Paulo – O Banco Central deu hoje mais um passo na sequência de cortes nos juros, reduzindo a taxa básica da economia de 11% para 10,50% ao ano. Entretanto, a queda de meio ponto percentual na Selic praticamente não tem efeitos na economia do dia-a-dia.

Um levantamento feito pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) mostra que o impacto da queda da taxa básica no crédito que os bancos concedem a consumidores e empresas é mínimo.

No caso das pessoas físicas, por exemplo, a variação entre a Selic e a taxa de juro que é cobrada em operações de financiamento é de mais de 900%.

O juro cobrado em operações com cartão de crédito, por exemplo, que está entre os mais altos do mercado, passa de 10,69% ao mês para 10,65% com a redução da Selic.

No caso do crédito a empresas, a variação também é mínima. A taxa mensal de um empréstimo de capital de giro passa de 2,52% ao mês para 2,48%.

Veja como ficam os juros ao consumidor após a decisão do Banco Central:

Linha de crédito Mensal (Selic em 11%) Anual (Selic em 11%) Mensal (Selic em 10,50%) Anual (Selic em 10,50%)
Fonte: Anefac
Juros do comércio 5,36% 87,12% 5,32% 86,26%
Cartão de crédito 10,69% 238,30% 10,65% 236,83%
Cheque especial 8,36% 162,08% 8,32% 160,92%
CDC – Bancos – veículos 2,18% 29,54% 2,14% 28,93%
Empréstimo pessoal – bancos 4,21% 64,03% 4,17% 63,27%
Empréstimo pessoal – financeiras 8,66% 170,92% 8,62%

169,72%

Taxa média 6,58% 114,76% 6,54% 113,79%