BC da China diz que possui muitas ferramentas para lidar com incertezas

Comentários foram feitos horas depois de os Estados Unidos terem aumentado as tarifas sobre os produtos importados da China

Pequim – O banco central da China disse nesta sexta-feira (10), que é totalmente capaz de lidar com as incertezas externas, já que possui muitas ferramentas de política monetária e ampla margem de manobra.

Os comentários foram feitos horas depois de os Estados Unidos terem aumentado as tarifas sobre os produtos importados da China, que ameaçam aumentar a pressão sobre a economia chinesa.

Analistas dizem que o banco central provavelmente terá que aumentar o apoio à economia, à medida que as tensões comerciais com os Estados Unidos se intensificam.

O aumento das tarifas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre 200 bilhões de dólares em produtos chineses, para 25%, entrou em vigor nesta sexta-feira e Pequim disse que vai retaliar.

“Enfrentando mudanças econômicas internas e externas, a política monetária de nosso país tem amplo espaço (para responder) e nosso kit de ferramentas de política monetária é rico”, disse Sun Guofeng, chefe do departamento de política monetária do Banco do Povo da China.

“Somos totalmente capazes de lidar com várias incertezas internas e externas.”

A autoridade do banco central se comprometeu a manter a liquidez razoavelmente ampla, ao mesmo tempo em que adotou uma política monetária “prudente” que não é nem muito frouxa nem muito apertada. Ele acrescentou que espera que a oferta de dinheiro e o crescimento do crédito permaneçam estáveis.

Sun disse que o Banco do Povo da China “usará melhor” as ferramentas de políticas estruturais, incluindo seu instrumento de empréstimo de médio prazo direcionado, reempréstimos e redescontos para sustentar empresas privadas e pequenas, sem dar detalhes.

Ao mesmo tempo, usará ferramentas de política monetária para conduzir operações de mercado aberto de forma flexível e orientar as taxas do mercado monetário dentro de uma faixa “razoável”, disse a autoridade.

(Por Kevin Yao)