Banco da Inglaterra analisa consequências de um “Brexit”

Banco da Inglaterra revelou que analisa os riscos econômicos de uma saída da Grã-Bretanha da UE

O Banco da Inglaterra revelou nesta sexta-feira que analisa os riscos econômicos de uma saída da Grã-Bretanha da União Europeia, conhecida como “Brexit”, após o primeiro-ministro David Cameron iniciar negociações com os líderes europeus sobre os termos de adesão ao bloco.

O estudo do Banco da Inglaterra, que pode ter um importante impacto no debate sobre o futuro das relações entre Grã-Bretanha e UE, deveria ser mantido em segredo, mas alguns detalhes vazaram acidentalmente para um jornalista do The Guardian.

A revelação ocorre após Cameron, vencedor das legislativas de 7 de maio, iniciar em Riga uma campanha para renegociar os termos de adesão da Grã-Bretanha à UE.

Londres celebrará um referendo sobre a permanência no bloco europeu até o final de 2017.

O Banco admitiu nesta sexta-feira que existe o estudo, mas destacou que isto “não deveria ser uma surpresa”. “Há uma série de questões econômicas e financeiras que aparecem no contexto da renegociação e do referendo nacional, e uma das responsabilidades do Banco é avaliar isto”.

A instituição monetária britânica afirmou que dará mais detalhes sobre o estudo “no momento apropriado”.

O primeiro-ministro conservador, que prometeu fazer campanha pela permanência na UE caso obtenha as mudanças propostas, manifestou em Riga sua confiança em obter a reforma, apesar dos “muitos obstáculos no caminho”.

Segundo as pesquisas, os britânicos votariam a favor da permanência na UE se a eleição fosse hoje.