Bancários fecharam mais de 4 mil agências no primeiro dia de greve

A categoria reivindica reajuste de 12,8% nos salários, o que representa 5% de aumento acima da inflação

Brasília – O primeiro dia da greve nacional dos bancários resultou no fechamento de 4.191 agências e centros administrativos em 25 estados e no Distrito Federal. A informação é da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf). Apenas em Roraima, os bancários ainda farão assembleia na noite de hoje (27) para decidir se aderem à paralisação a partir de amanhã (28).

De acordo com a Contraf, a greve começou mais forte que a do ano passado. No primeiro dia de paralisação em 2010, informou a entidade, 3.864 unidades foram fechadas.

Os bancários entraram em greve por tempo indeterminado. A categoria reivindica reajuste de 12,8% nos salários, o que representa 5% de aumento acima da inflação. Os bancários também pedem aumento nas contratações, fim da rotatividade, melhoria do atendimento aos clientes e fim de metas abusivas impostas pelos bancos. A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), braço da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) dedicado a negociações sindicais, ofereceu 0,56% de reajuste superior à inflação.

No fim da tarde, a Caixa Econômica Federal emitiu comunicado orientando os correntistas a procurar os postos alternativos de atendimento para pagar de contas e sacar dinheiro. Entre as opções disponíveis, estão caixas eletrônicos, casas lotéricas e correspondentes bancários, como supermercados.

Em comunicado, a Fenaban considerou a greve injustificada. Segundo a entidade, a paralisação foi decidida de maneira precipitada, com as negociações em andamento, sem que houvesse uma situação de impasse. A federação alega ter apresentado, na semana passada, duas propostas de reajuste de salários, pisos salariais e benefícios e que previam o pagamento de participação nos lucros e resultados.