Autoridades, empresários e especialistas falam da economia criativa

Exame conversou com os participantes do EXAME Fórum Cultura e Economia Criativa. Assista aos vídeos

São Paulo — Autoridades, empresários e especialistas do setor de cultura e economia criativa se reuniram na manhã desta sexta-feira (14) no EXAME Fórum Cultura e Economia Criativa para discutir as oportunidades e os desafios no lado mais inventivo da economia.

O evento contou com a presença de autoridades como Sérgio Sá Leitão, Ministro da Cultura; empresários ao exemplo de Luiz Justo, presidente do Rock in Rio e Pierre Mantovani, presidente do grupo Omelete, que organiza a CCXP; e especialistas como Luiz Gustavo Barbosa, da FGV. Além da participação via conferência de Tom Fleming, consultor inglês e uma das maiores autoridades globais em economia criativa.

Confira abaixo as entrevistas em vídeo que os participantes concederam a EXAME em São Paulo.

Sérgio Sá Leitão

O ministro da cultura declarou sua expectativa para o próximo governo. “Eu espero que tudo o que foi realizado nesses últimos dois anos seja mantido, ampliado e aperfeiçoados, pois está fazendo bem para o país. O investimento é gerador de renda, emprego e valor agregado”, afirmou.

Pierre Mantovani

O presidente da CCXP Brasil e do Omelete Group diz “No último fim de semana tivemos a quinta edição da CCXP com 260 mil participantes. A nossa expectativa é que além de todo dinheiro gerado no evento mais de 100 milhões de reais sejam movimentados na economia de São Paulo”.

Sérgio Alexandre

O sócio líder da prática digital na PwC apresentou números que comprovam o crescimento do setor. “Esse país precisa de cultura e de inovação. A criatividade é essencial para nós. No mundo ninguém tem o que nós temos”, afirma.

Luiz Justo

O presidente do Rock in Rio falou sobre a importância do evento: “A projeção nacional e internacional que o Rock in Rio tem mostra a força de seu impacto. Para se ter uma ideia, foi 1,4 bilhões de reais no impacto econômico da última edição no Brasil”.

Fabio Cesnik

O sócio da CQS Advogados, prestadora de serviço especializado para o mercado de entretenimento comenta a importância da valorização da cultura brasileira ao redor do mundo. Segundo ele, o cenário começa a expandir para fora. “Hoje você tem vários players, por exemplo, de música que começa a ter projeção global, como Kondizilla, Anitta e Alok”, diz.

Glória Braga

A superintendente do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) apontou os desafios do órgão para garantir os direitos dos artistas no cenário atual. “O direito autoral é fundamental para que todos os atores da indústria criativa estejam satisfeitos com os seus negócios”, comenta.

Carolina Panzolini

A diretora do departamento de política regulatória no Ministério da Cultura participou do debate de direitos autorias na internet. “Os desafios são imensos num ambiente digital muito produtivo. Hoje existem novas possibilidades de explorações econômicas e modelos de negócios”, afirma.

Victor Drummond

O especialista em direito autoral comentou a importância da atividade na era digital. “Os direitos autorais estão relacionados com tudo e qualquer pessoa. Quando você tem mais atividades geradas pelo impacto tecnológico, mais circunstâncias você tem para a proteção do direito”

Luiz Gustavo Barbosa

O coordenador da Fundação Getúlio Vargas (FGV) apresentou um estudo inédito sobre o impacto positivo da Lei Rouanet na economia brasileira. “49 bilhões de reais foi o impacto que o estudo demonstrou desde 1993 com a implantação da Lei”, afirma.

José Paulo Martins

O secretário de fomento e incentivo à cultura, do Ministério da Cultura, falou sobre a transparência e simbolismo da Lei Rouanet. “Hoje qualquer cidadão brasileiro pode entrar no portal da lei e saber de tudo que acontece. É um instrumento transparente, disponível e com atendimento de qualidade importante”, reforça.

Cristiane Olivieri

A advogada destacou a falta de entendimento da população brasileira em relação à Lei Rouanet. “A Lei Rouanet tem uma certa dificuldade de demonstrar para a população sua importância. Em um novo governo pequenos ajustes na lógica dos resultados seriam suficientes e uma divulgação dos resultados longe das fake news”.  

Ricardo Piquet

Comentou sobre a importância da Lei para a operação do Museu do Amanhã, onde ele é presidente. “Hoje a gente tem uma redução da participação de recursos públicos por uma questão de crise financeira do Rio de Janeiro, mas tivemos nos parceiros privados e na Lei Rouanet a solução para continuar com a qualidade dos serviços prestados”.