Argentina suspende congelamento e reajusta preço dos combustíveis em 4%

Medida foi tomada devido à volatilidade do preço do barril do petróleo no mercado internacional

Buenos Aires – O governo da Argentina anunciou nesta quarta-feira um aumento de 4% nos preços dos combustíveis no país, que estavam congelados desde agosto devido ao agravamento da crise econômica.

A medida foi tomada devido à volatilidade do preço do barril do petróleo no mercado internacional, motivada pelos ataques a duas refinarias da Aramco, estatal petrolífera da Arábia Saudita, no último sábado. Os danos causaram o maior corte na produção da história mundial.

Em agosto, após a vitória da oposição a Macri nas eleições primárias para a presidência do país, o governo argentino decretou o congelamento dos preços dos combustíveis por 90 dias. A iniciativa fazia parte de um pacote econômico para tentar conter a desvalorização do peso em relação ao dólar, que tem impacto direto sobre a inflação no país.

Veja também

 

O pacote fixava uma taxa de câmbio para a venda do barril de petróleo. A data escolhida foi 9 de agosto, dois dias antes da derrota de Macri nas primárias, quando o peso fechou dia cotado a US$ 45,19. Hoje, a moeda argentina é negociada a US$ 58,50.

Depois de muita pressão de empresas e das províncias que produzem petróleo, Macri mudou no início de setembro a taxa de câmbio de referência para as operações, que passou para US$ 46,69. A diferença, porém, passou a ser subsidiada pelo governo, mantendo assim o congelamento dos preços para a população.

As mudanças foram insuficientes para agradar o setor, que seguiu reclamando da política adotada pelo governo. Os ataques às refinarias sauditas, que provocaram uma alta de 15% no preço do barril do petróleo no mercado internacional na segunda-feira, foram o estopim para que Macri não resistisse às pressões para reajustar os valores dos combustíveis no país.

A Secretaria de Energia da Argentina disse em comunicado que o setor foi “notavelmente afetado” pelas circunstâncias internacionais.

“Esses eventos inevitavelmente impactam na produção, na comercialização e no abastecimento normal dos combustíveis em nosso país”, explicou o órgão na nota.