Aprovação da Previdência rende aplausos e “parabéns” no gabinete de Guedes

Reforma da Previdência foi aprovada no primeiro turno com número de votos maior do que o previsto: 379 a 131

A aprovação do texto-base da reforma da Previdência com ampla margem em votação na Câmara dos Deputados foi recebida com euforia no Ministério da Economia e aplausos no gabinete do ministro Paulo Guedes, afirmou uma fonte que participou do momento.

Em condição de anonimato, a fonte apontou que o placar de 379 votos a favor da Proposta de Emenda à Constituição foi melhor que a mais otimista das previsões no ministério. Por ser uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) era preciso o voto de pelo menos 308 dos 513 deputados.

Guedes recebeu palmas e retribuiu com “parabéns” aos membros da sua equipe.

Na quinta-feira, o ministro se reunirá com seus secretários para alinhar a atuação da Economia daqui para frente vencida a que era considerada a maior batalha para endireitar as contas públicas.

Nesse sentido, o ministério também lançará um site com as medidas que tomará, a exemplo do que fez o Banco Central com a Agenda BC+, posteriormente rebatizada de BC#.

A votação sobre a reforma foi encerrada após o primeiro destaque ao texto. Outros destaques serão votados na quinta-feira, para concluir o primeiro turno. Após a reforma terminar de ser votada em dois turnos na Câmara dos Deputados, ainda precisa passar pelo mesmo rito no Senado.

As demais reações

Quem também comemorou a aprovação com uma margem grande de votos foi o presidente Jair Bolsonaro.

Em seu perfil no Twitter, como de praxe, Bolsonaro cumprimentou os deputados favoráveis à reforma e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Mais uma vez, ele utilizou a expressão “grande dia”, para elogiar alguma situação.

O ministro da Justiça, Sergio Moro, também usou a rede social para se pronunciar sobre a aprovação. Ele compartilhou uma publicação do ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) com o número “379”, em referência ao número de deputados que garantiram a aprovação da matéria. Foram 131 votos contrários ao texto.

O governador de São Paulo, João Doria, também elogiou a aprovação da Previdência, mas fez um pedido. “Esperamos que no Senado sejam incluídos Estados e Municípios. Isso é fundamental para o desenvolvimento regional e para o crescimento do País”, defendeu.