Alta do preço das carnes puxa inflação em setembro

Fatores como clima e demanda do mercado externo impactaram na alta de preços do setor

Rio de Janeiro – A alta de preços de 3,17% das carnes foi a principal influência para a inflação oficial de 0,57% em setembro deste ano. Essa foi a maior alta de preços mensal das carnes desde outubro de 2013, quando teve a mesma taxa (3,17%).

Segundo a coordenadora de Índice de Preços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eulina Nunes dos Santos, a alta é explicada por fatores como o clima e a demanda do mercado externo.

“Os pecuaristas argumentam que os pastos ainda estão secos. Fica difícil e mais cara a engorda do gado. O Brasil é o principal exportador de carne e o preço vem subindo desde o início do ano e os mercados estão muito favoráveis ao Brasil, com a Rússia e a China”, disse Eulina.

As passagens aéreas, com alta de 17,85%, também teve impacto grande na inflação. Segundo o IBGE, a alta provavelmente é um efeito da recuperação de preços que caíram 26,86% em julho.

Outros itens que tiveram influência importante sobre a inflação foram a refeição fora de casa (1,02%), a energia elétrica (1,37%) e o empregado doméstico (0,78%).