Alimentos, transporte e luz sobem pressionando IPC-C1 de maio, diz FGV

Índice saiu de uma alta de 0,31% em abril para uma elevação de 0,60% em maio

Rio – As famílias de baixa renda gastaram mais com alimentação, transporte e energia elétrica em maio, o que pressionou o Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) no mês, informou nesta quarta-feira, 6, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O IPC-C1 saiu de uma alta de 0,31% em abril para uma elevação de 0,60% em maio.

Cinco das oito classes de despesas registraram taxas de variação mais elevadas: Habitação (de 0,23% para 1,02%), Transportes (de -0,16% para 0,64%), Alimentação (de 0,25% para 0,50%), Comunicação (de -0,18% para -0,06%) e Vestuário (de 0,32% para 0,35%).

Os itens de destaque foram a tarifa de eletricidade residencial (de 0,48% para 5,25%), gasolina (de -0,04% para 2,64%), hortaliças e legumes (de 4,28% para 11,98%), tarifa de telefone residencial (de -0,88% para -0,32%) e calçados infantis (de -0,25% para 1,48%).

Na direção oposta, as taxas foram mais baixas nos grupos Saúde e Cuidados Pessoais (de 1,32% para 0,66%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,15% para -0,37%) e Despesas Diversas (de 0,29% para 0,11%), sob influência dos itens medicamentos em geral (de 2,28% para 0,67%), salas de espetáculo (de 1,59% para 0,14%) e clínica veterinária (de 3,66% para 0,29%).