Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras

Belo Horizonte, São Luís e São Paulo concentram altas. Salário mínimo necessário para família de quatro pessoas seria de 4,15 vezes o atual

O preço dos alimentos da cesta básica aumentou em 16 das 18 capitais brasileiras pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos ( Dieese).

As altas mais expressivas foram em Belo Horizonte (7,81 por cento), São Luís (6,44 por cento), Campo Grande (6,05 por cento) e São Paulo (5,68 por cento). Houve queda em Vitória (-2,65 por cento) e Salvador (-0,26 por cento).

A cesta mais cara foi a de São Paulo (R$ 471,37), seguida pela de Porto Alegre (R$ 463,09), Rio de Janeiro (R$ 460,24) e Florianópolis (R$ 454,87).

Os menores valores médios foram observados em Salvador (R$ 330,17) e Natal (R$ 332,21). Durante o ano de 2018, todas as capitais acumularam alta, com destaque para Campo Grande (14,89 por cento), Brasília (13,44 por cento) e Fortaleza (12,03 por cento).

De outubro a novembro deste ano, os alimentos que apresentaram alta na maior parte das capitais pesquisadas foram tomate, batata, óleo de soja, pão francês e carne bovina de primeira. Já o leite integral teve queda de preços em 16 capitais.

Com base nesses valores, o Dieese estimou em R$ 3.959,98 o salário mínimo necessário para a uma família de quatro pessoas no mês de novembro, o equivalente a 4,15 vezes o mínimo atual, de R$ 954.

Em outubro, o salário mínimo foi estimado em R$ 3.783,39. O tempo médio que um trabalhador levou para adquirir os produtos da cesta básica, em novembro, foi de 91 horas e 13 minutos. Em outubro de 2018, ficou em 88 horas e 30 minutos.