Acordo entre Reino Unido e EUA não compensa Brexit, diz ministro

A primeira-ministra Theresa May ficou otimista com a sinalização de um acordo com os EUA, mas ministro disse que não será suficiente

Londres – Um acordo comercial pós-Brexit com os Estados Unidos não será suficiente para compensar a saída do Reino Unido da União Europeia, afirmou neste domingo o ministro da Justiça britânico, David Lidington, atenuando o entusiasmo da primeira-ministra Theresa May sobre a oferta dos EUA.

May mostrou-se animada com as garantias no sábado do presidente dos EUA, Donald Trump, de que um acordo comercial “bastante poderoso” com o Reino Unido será alcançado “muito, muito rapidamente” após o Reino Unido deixar a UE.

Buscando reiterar sua autoridade sobre o processo do Brexit, May descreveu as negociações sobre comércio com Trump e outros líderes mundiais em reunião do G20 como “poderoso voto de confiança” no Reino Unido.

Mas um de seus ministros diminuiu esse entusiasmo no domingo, em um sinal da dificuldade que May enfrenta em unir seu próprio partido diante de uma estratégia única de saída.

“Não seria suficiente por si só, não”, disse Lidington aoAndrew Marr Show, da BBC. “Mas será algo muito bom de ter — bem como acordos comerciais com economias emergentes da Ásia e da América Latina.”