Ser pai engorda, afirma estudo

Mais de 10 mil homens participaram do estudo, que durou 20 anos. Os cientistas analisaram o IMC e outros fatores que podem contribuir para o ganho de peso

São Paulo – Um estudo da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, descobriu que não é só aquela cerveja no final da tarde que engorda os homens. Segundo os cientistas, os homens ganham peso depois de se tornarem pais, mesmo que eles não convivam com seus filhos.

Os pesquisadores acompanharam o peso de mais de 10 mil homens, da adolescência até a idade adulta. Segundo o estudo, um homem de 1,82 metros que mora com seu filho ganhou, em média, dois quilos após se tornar pai. O pai com a mesma altura, mas que não vive com o filho, ganhou cerca de 1,5 quilo desde o nascimento da criança.

Esse é um aumento de 2,6% no índice de massa corporal (IMC) de pais residentes e um aumento de 2% no IMC de pais não residentes. Ao contrário dos pais, os homens sem filhos perderam 650 gramas no mesmo período.

O estudo tinha como objetivo analisar a forma como a paternidade afeta o IMC, um marcador biológico importante para a saúde humana. O trabalho foi publicado no Jornal Americano de Saúde Masculina.

Ao longo dos 20 anos do estudo, todos os 10.253 participantes tiveram seu IMC medido em quatro momentos diferentes: o início da adolescência, depois da adolescência, meados dos 20 anos e início dos 30.

Os participantes foram divididos em três categorias: não-pai, pai residente ou pai não residente. Os pesquisadores cruzaram as informações obtidas sobre IMC e categoria na qual os homens estavam para encontrar relações.

Outros fatores

Além do IMC, outros fatores que poderiam contribuir para o ganho de peso foram analisados, como raça, idade, escolaridade, renda, atividade diária e estado civil. Outros estudos já revelaram que casamentos podem resultar em ganho de peso para homens. Para os pesquisadores, no entanto, a paternidade é um fator mais devisivo.

“Você tem novas responsabilidades quando tem filhos e pode não ter tempo para cuidar de si mesmo. A família se torna prioridade”, disse Craig Garfield, líder do estudo e professor de pediatria e ciências sociais médicas da Northwestern University.

Segundo os cientistas, os hábitos alimentares podem mudar, pois a casa se enche de biscoitos, sorvetes e outros lanches. “Nós todos sabemos que são os pais que ‘raspam’ os pratos dos filhos depois de cada refeição”, brincou o autor.

“Quanto mais peso os pais ganham e quanto maior o IMC, maior o risco que eles têm de desenvolver doenças cardíacas, como diabetes e câncer”, ressaltou Garfield.

A pesquisa também descobriu que novos pais têm um aumento nos sintomas de depressão nos primeiros anos após o nascimento do filho.

“Agora percebemos que a transição para a paternidade é uma importante fase da vida dos homens”, conta o pesquisador. “É um momento mágico, onde tantas coisas mudam na vida de um homem. Agora, a área médica precisa pensar como pode ajuda-los.”