Seis domus são reabertos em Pompeia após restauração

Os trabalhos de restauração fazem parte do "Grande Projeto Pompeia" decidido há mais de dois anos após as polêmicas pelas condições do sítio arqueológico

Por ocasião da celebração do Natal, o sítio arqueológico de Pompeia, ao sul da Itália, reabriu nesta quinta-feira ao público seis “domus” ou residências, completamente restaurados, considerados verdadeiras joias para os historiadores.

“São seis domus únicos, excepcionais”, afirmou o primeiro-ministro Matteo Renzi durante o ato oficial celebrado no parque arqueológico, entre os mais valiosos do mundo por fornecer informação histórica sobre os romanos de 2.000 anos atrás, ao ter sido enterrado pela violenta erupção do vulcão Vesubio no ano 79 d.C.

As seis residências restauradas são particularmente ricas: Fullonica di Stephanus, Casa del Criptoportico, Casa di Paquius Proculus, Casa del Sacerdos Amandus, Casa di Fabius Amandio e Casa dell’Efeb, e estão localizadas na Via da Abundância, entre as mais visitadas.

“Com esta abertura mostramos que a Itália não está parada, que segue recuperando seu extraordinário patrimônio, de enorme beleza”, afirmou o primeiro-ministro.

Os trabalhos de restauração fazem parte do “Grande Projeto Pompeia” decidido há mais de dois anos após as polêmicas pelas condições em que se encontrava o imenso sítio arqueológico, com desabamentos, roubos e até saques da Camorra, a máfia napolitana.

Pompeia, que se encontra perto de Nápoles, ao sul da península, obteve fundos de um total de 130 milhões de euros, dos quais 96 milhões fornecidos pela União Europeia.

O sítio arqueológico foi incluído em 1997 na lista de locais considerados Patrimônio da Humanidade pelas Nações Unidas.

As famosas ruínas, o segundo lugar mais visitado da Itália depois do Coliseu de Roma, com 2,7 milhões de turistas no ano passado, são uma metáfora da Itália: bela por seu imenso patrimônio artístico e impossível, pelas dificuldades para administrá-lo e valorizá-lo, um desafio que as autoridades tentam encarar.