Robô Curiosity já deixa ‘marcas’ em Marte

''A missão está funcionando extremamente bem. Aqui vocês têm um diretor de missão sorridente'', descreveu Peter Theisenger

Washington – A superfície de Marte agora já tem ”marcas” das rodas do explorador Curiosity, depois que o dispositivo completou com sucesso seu primeiro percurso pelo Planeta Vermelho, informaram nesta quarta-feira engenheiros da Agência Espacial Americana (Nasa).

”A missão está funcionando extremamente bem. Aqui vocês têm um diretor de missão sorridente”, descreveu Peter Theisenger, em entrevista coletiva no Laboratório de Propulsão, em Pasadena (Califórnia).

Theisinger contou que o Curiosity se deslocou aproximadamente 4,5 metros nesta madrugada do lugar onde havia aterrissado e realizou vários giros de entre 90 e 180 graus sobre a superfície de Marte, em que não reportou nenhum problema técnico.

Para as manobras, o explorador precisou de cerca de 16 minutos, e enviou, em seguida, novas fotografias em preto e branco, entre elas as que documentam as ”marcas” de roda sobre Marte, a quase 250 milhões de quilômetros da Terra.

Também o chefe de mobilidade do Curiosity, Matt Heverly, se mostrou exultante: ”Temos um sistema de mobilidade funcionando plenamente com um montão de experimentos fascinantes de prospecção pela frente”, disse Heverly durante o encontro com os jornalistas.

Por outro lado, o cientista-chefe do Programa de Prospecção de Marte, Michael Meyer, anunciou que em homenagem ao escritor de ficção científica Ray Bradbury morto recentemente se decidiu batizar o lugar onde tocou a superfície de Marte como Bradbury Landing.

”Em sua homenagem declaramos que o lugar onde o Curiosity aterrissou será conhecido a partir de agora como Bradbury Landing”, explicou Meyer ao lembrar do autor do livro ”Crônicas Marcianas”, que hoje completaria 92 anos.

Os cientistas da Nasa preveem utilizar o sistema de coleta de amostras nas próximas semanas, situado sobre o braço de 2,1 metros de comprimento que inclui uma câmara, uma broca, um espectrômetro e está programado para realizar a triagem de amostras de pó de rocha e de terra com um coletor especial.


Durante os próximos dias, o robô permanecerá em Bradbury Landing fazendo diferentes revisões de instrumentos e analisando os arredores, antes de se dirigir para sua primeira parada prevista localizada a 400 metros rumo a leste-sudeste, um lugar denominado Glenelg e onde convergem três formações geológicas.

Espera-se que ao final de sua missão o equipamento tenha percorrido mais de 20 quilômetros e registre imagens sobre a cratera Gale, da encosta de uma montanha de 5 mil metros de altura.

Além disso, a Nasa informou que através da câmera química, que utiliza laser e espectrômetros, se pôde examinar a composição das rochas onde está o explorador.

De acordo com os primeiros dados, as rochas sugerem uma composição de basalto.

O Curiosity, que aterrissou na superfície de Marte na madrugada do dia 6, enviou centenas de fotografias em preto e branco e coloridas que proporcionaram a visão mais nítida de Marte conhecida até hoje.

O robô, do tamanho de um carrinho de golfe e que pesa uma tonelada, chegou com uma missão de dois anos em que percorrerá parte do planeta para analisar sua composição e determinar se existem ou alguma vez existiram as condições para abrigar vida no planeta.

Theisinger, no entanto, quis mostrar cautela e lembrou que ”por enquanto, passaram-se 16 dias de uma missão de dois anos”.

”Temos um longo caminho antes de a missão alcançar todo o seu potencial, mas o fato de que não tenhamos tido graves problemas nos primeiros períodos é fantástico”, concluiu.