Poluição durante a gravidez afeta DNA de bebês

Estudo revela que bebê pode nascer com cromossomos mais curtos se mãe estiver em ambiente poluído na gestação

A poluição do ar faz mal à saúde – e não é de hoje que governos tentam criar medidas para lutar contra esse problema. Mas uma pesquisa realizada pela Universidade Columbia descobriu que as consequências da poluição podem começar antes mesmo de sairmos das barrigas de nossas mães.

O estudo analisou o DNA de bebês que nasceram em Tongliang, na China, antes e depois de uma mina de carvão ser fechada. A conclusão foi nítida – e preocupante. Os bebês gestados quando a fábrica ainda estava em operação nasceram com uma modificação genética importante: eles tinham os telômeros mais curtos. E, por isso, podem ter uma expectativa de vida menor.

Os telômeros ficam nas pontas dos cromossomos, e servem para protegê-los contra danos. Quando as células do corpo se reproduzem, para substituir aquelas que vão morrendo naturalmente, os telômeros vão ficando cada vez mais curtos. Isso atrapalha a reprodução celular, o que aumenta a chance de mutações (leia-se câncer) e acelera o envelhecimento da pessoa. Nascer com os telômeros mais curtos, portanto, é já ter perdido algum tempo de vida – e também estar sujeito a mais problemas de saúde.

“O comprimento dos telômeros de uma pessoa, quando ela nasce, tem relação com seu risco de desenvolver doenças quando adulta”, afirma a cientista chinesa Deliang Tang, autoria do estudo. A pesquisa avaliou 255 crianças, que tiveram seu DNA sequenciado logo após o nascimento.

Este texto foi publicado originalmente no site Superinteressante.