Perda de memória por idade pode ser reversível, diz estudo

Cientistas encontraram um elemento chave que diferencia a perda de memória associada ao envelhecimento da causada pelo mal de Alzheimer

Washington – Cientistas da Universidade de Colúmbia, nos Estados Unidos, encontraram um elemento chave que diferencia a perda de memória associada ao envelhecimento da causada pelo mal de Alzheimer, e que abre portas para o tratamento, de acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira na revista “Science Translational Medicine”.

“Nosso estudo oferece uma evidência convincente de que a perda de memória é uma síndrome em si mesma, não necessariamente vinculada ao Alzheimer”, afirmou o médico, prêmio Nobel de Medicina em 2000, Eric Kandel, e diretor do Instituto de Comportamento do Cérebro da Universidade de Columbia, em Nova York.

Os pesquisadores detectaram que a escassez da proteína RbAp48 no hipocampo, uma das regiões cerebrais que tem papel vital na memória, é um fator decisivo na perda de memória relacionada com a idade e é reversível.

A princípio, a redução gradual de memória era considerada um dos primeiros sintomas de Alzheimer, mas esta evidência sugere que este é um processo diferente que afeta especificamente à circunvolução dentada, uma subrregião do hipocampo diferente de onde se desenvolve o Alzheimer.

O estudo foi baseado na análise de células cerebrais desta subrregião em um grupo de cadáveres, tanto de jovens como de idosos, até identificar 17 genes que podem ter relação direta com estas falhas na memória.

Os experimentos detectaram que a maior parte das mudanças estavam relacionados à proteína RbAp48, cuja presença diminuiu significativamente com a idade. O experimento também foi feito com ratos de laboratório para checar se esta proteína tinha um papel ativo na perda de memória.

Assim decidiram inibi-la nos hipocampos dos cérebros de ratos jovens sãos, e descobriram que estes sofriam as mesmas perdas de memória que ratos idosos em testes de reconhecimento de água em labirintos. Assim que a inibição do RbAp48 foi suspensa, a memória voltou ao normal.

“Ficamos assombrados ao ver não só que este gene melhorava os resultados dos ratos nos exames de memória, mas eram comparáveis aos dos ratos jovens”, confessou Elias Pavlopoulos, neurologista da Universidade de Columbia.

Kandel se mostrou otimista pela descoberta, mas ponderou que podem haver “outras mudanças” nestas subrregiões cerebrais capazes de provocar perda de memória.

“Esta proteína é um fator fundamental e aponta que a perda de memória relacionada com a idade se deve a uma mudança funcional nos neurônios de algum tipo. Mas, ao contrário do Alzheimer, não há uma significativa destruição de neurônios”, explicou.