Paciente com ebola não foi isolado em sua 1ª ida a hospital em Dallas

Paciente manteve contato com cinco menores em idade escolar, que já foram colocadas sob supervisão médica

O primeiro paciente diagnosticado com ebola nos Estados Unidos esteve na sexta-feira (26) passada pela primeira vez no Hospital Presbiteriano de Dallas (Texas) com febre e dores abdominais, mas os médicos o deixaram voltar para casa ao não terem sido informados de que o homem vinha da Libéria.

Thomas Eric Duncan, de nacionalidade liberiana, voltou ao hospital no domingo (28), quando foi isolado e posteriormente diagnosticado com ebola, mas esses dois dias foram fundamentais para uma potencial propagação do vírus entre as pessoas com as quais manteve contato, confirmaram ontem ao jornal “New York Times” as autoridades de saúde dos EUA.

Em 19 de setembro, Duncan saiu de seu país natal para os Estados Unidos em uma viagem que incluiu várias escalas na Europa, e um dia depois chegou em Dallas, onde vive uma parte de sua família.

Quando foi ao hospital pela primeira vez, com os primeiros sintomas do vírus, sua irmã, que o acompanhou, informou à enfermeira que o paciente acabava de chegar da Libéria, país que ao lado de Serra Leoa e Guiné vive uma epidemia do ebola que já causou mais de três mil mortos segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mark Lester, vice-presidente do consórcio que administra o Hospital Presbiteriano de Dallas, lamentou ontem em entrevista coletiva que esta informação “não tenha sido comunicada integralmente a toda a equipe”. “Como resultado, essa informação não foi levada em conta na hora da tomada de decisões clínicas”, acrescentou.

Duncan retornou então para casa de seus parentes, onde vivem outras cinco pessoas. No fim de semana, o paciente manteve contato com cinco menores em idade escolar, que ontem foram colocadas sob supervisão médica, embora não apresentem sintomas do vírus.

O governador do Texas, Rick Perry, afirmou que “há poucos lugares no mundo melhor preparados para enfrentar este desafio do que o Hospital Presbiteriano de Dallas”. Ele ressaltou que o Texas é um dos treze estados do país certificados em agosto pelo Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) para tratar o ebola, e se mostrou “confiante” no trabalho da equipe de profissionais “altamente preparados” do hospital.

Os médicos que estão tratando de Duncan disseram que seu estado é “grave mas “estável”.