OMS diz que surto de ebola na RDC é diferente de epidemia na África Ocidental

A origem deste novo surto é uma mulher grávida que limpou e cozinhou um animal selvagem que seu marido tinha caçado

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta quarta-feira (27) que o surto de ebola que apareceu na República Democrática do Congo (RDC) é diferente da epidemia do vírus da doença que assola a África Ocidental.

A origem deste novo surto é uma mulher grávida que limpou e cozinhou um animal selvagem que seu marido tinha caçado e que aparentemente estava infectado pelo vírus do ebola.

A mulher adoeceu e, após apresentar sintomas de febre hemorrágica, foi transferida a uma clínica privada, onde morreu no último dia 11 sem que tivessem sido determinadas as causas exatas da morte.

Ela teve contato com profissionais de saúde que lhe prestaram atendimento e familiares. Entre 28 de julho e 18 de agosto, 24 dessas pessoas apresentaram suspeitas de terem sido contagiadas, e 13 morreram. As outras 11 estão em tratamento e isoladas.

Nenhum dos contagiados tinha viajado aos países da África Ocidental com casos de ebola (Guiné, Libéria, Serra Leoa e Nigéria), por isso “hoje acredita-se que o surto na República Democrática do Congo não tem qualquer relação com a atual epidemia na África Ocidental”, destacou a OMS em comunicado.

Foram mandadas amostras dos infectados a laboratórios de Kinshasa e do Gabão para que fosse confirmado que os casos eram de ebola e para determinar de qual linhagem.

O Ministério da Saúde da RDC enviou especialistas à região para monitorar e avaliar a situação. Já a OMS mandou equipamentos de proteção e organizou uma equipe de apoio que pode ir para o país a qualquer momento se for necessário.

Este é o sétimo surto de ebola que surge na RDC desde que o vírus foi descoberto, em 1976, justamente neste país, perto do rio ebola. No entanto, foi a primeira vez que o vírus apareceu na África Ocidental.