“O Hobbit” inaugura nova tecnologia de filmes a 48 fps

Filmado a 48 quadros por segundo, "O Hobbit: Uma Jornada Inesperada" mostra perfeição nas cenas, mas causa tontura em algumas pessoas

São Paulo — O filme “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”, que estreia nesta sexta-feira no Brasil, traz uma nova tecnologia de filmagem a 48 quadros por segundo (fps), além das já comuns imagens em 3D. A exibição a 48 fps melhora a perfeição das imagens em movimento, mas também tem provocado náuseas e tonturas em algumas pessoas.

O objetivo da filmagem a 48 quadros por segundo é tornar os movimentos mais perfeitos e dar mais nitidez a cenas de ação rápida, explica o diretor Peter Jackson em sua página no Facebook. Como se sabe, as imagens vistas no cinema não se mexem realmente. O que aparece na tela é uma rápida sucessão de fotos estáticas. Elas são vistas como movimento contínuo graças a uma característica da visão humana conhecida como persistência retiniana.

Durante uma fração de segundo, o olho lembra a última imagem vista, ligando-a à foto seguinte, o que cria a ilusão de movimento. Para que isso dê certo, é preciso que a taxa de exibição seja de pelo menos 16 quadros por segundo. Há 90 anos, o cinema adotou a taxa de 24 quadros por segundo, que é suficiente para enganar o olho humano.

Na teoria, a exibição a 48 fps deve dar mais perfeição às cenas. E isso parece ter acontecido de fato. Depois que o olhar se ajusta por um minuto ou dois, a resolução mais alta é de fazer saltar os olhos. É similar a ver televisão em alta definição pela primeira vez, escreveu o crítico Ethan Sacks, do jornal New York Daily.

O resultado, porém, não agradou a todos. Desde as primeiras exibições de “O Hobbit, na Nova Zelândia e nos Estados Unidos, várias pessoas saíram do cinema reclamando de náuseas e tontura. O problema foi descrito por diversos noticiários internacionais, como o  britânico The Week.


Segundo os relatos, o problema aparece nas cenas em close com movimentos rápidos e muitos detalhes. Uma possível explicação é que a nova tecnologia leva os olhos do expectador a fazer movimentos verticais mais rápidos para observar os detalhes, o que causa o desconforto. Já as cenas de paisagens são descritas como agradáveis e impressionantes a 48 fps. 

De qualquer modo, relativamente poucas pessoas terão a chance de ver O Hobbit em 3D a 48 fps. O site 48fpsmovies.com lista apenas 52 cinemas no Brasil que são capazes de exibir o filme dessa maneira. Na Europa, a estimativa é que só 5% das salas estejam equipadas para isso. Outros cinemas poderão apresentar o filme em 2D, ou em 3D com a taxa de exibição regular de 24 fps. 

“O Hobbit: Uma Jornada Inesperada” é o primeiro episódio da trilogia baseada no livro O Hobbit, de J.R.R. Tolkien, publicado em 1937. A história acontece 60 anos antes dos acontecimentos narrados em O Senhor dos Anéis. Nela, o protagonista Bilbo Bolseiro é encarregado pelo mágico Gandalf de acompanhar 13 anões numa jornada para livrar a Montanha Solitária do dragão Smaug.

O segundo filme da trilogia, “O Hobbit: A Desolação de Smaug”, tem lançamento previsto para dezembro de 2013. O terceiro, “O Hobbit: Lá e de Volta Outra Vez”, deve estrear em julho de 2014. Veja, a seguir, um trailer de “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”: