Membrana biodegradável promete substituir garrafas de plástico

Chamada de Ooho, a 'bolha' é feita por meio do mesmo processo usado pelos chefs de cozinha molecular

Três estudantes de design industrial criaram em Londres uma membrana orgânica biodegradável que consegue armazenar água.

Chamada de Ooho, a bolha é criada por um processo de “esferificação”, mesma técnica popularizada pelo chef espanhol Ferran Adriá, do restaurante elBulli, em Barcelona. Pelo método, o líquido é moldado em forma de esferas, que geram uma membrana dupla, protegendo a água e a mão de quem está bebendo.

A estrutura é composta por algas marrons e cloreto de cálcio, que criam um gel ao redor da água. Enquanto o invólucro é criado, a água está em estado sólido (como se estivesse congelada), sendo possível assim gerar uma esfera maior, que mantém os ingredientes na membrana e separados da água.

De acordo com o criador da membrana, o objetivo é diminuir o uso de garrafas descartáveis pela sociedade. “Oitenta por cento das garrafas que usamos e jogamos fora não são recicladas. Esse consumismo reflete a sociedade na qual vivemos”, afirma Rodrigo Garcia González, que desenvolveu a Ooho com seus colegas de faculdade, Pierre Paslier e Guillaume Couche.

Garcia também afirma que além de ser ecologicamente correta, a “bolha” irá reduzir custos, já que a maior parte do custo para produzir água vem da garrafa e do envase. A Ooho pode ser produzida por apenas dois centavos de dólar.