Melhora estado de saúde do médico cubano infectado com Ebola

O doutor Félix Báez, de 43 anos, é um dos 165 trabalhadores sanitários cubanos enviados a Serra Leoa para tentar conter o avanço deste vírus

O estado de saúde do médico cubano contaminado com Ebola “continua melhorando”, anunciaram nesta sexta-feira os Hospitais Universitários de Genebra (HUG), onde está internado desde 21 de novembro.

“As últimas análises demonstram que a evolução é favorável. Atualmente, o doutor Félix Báez ainda está fraco e se recupera progressivamente. Ele come normalmente e seu estado geral melhora dia a dia”, informaram os HUG em um comunicado.

O doutor Félix Báez, de 43 anos, é um dos 165 trabalhadores sanitários cubanos enviados a Serra Leoa para tentar conter o avanço deste vírus, que matou 5.689 pessoas entre os 15.935 casos de contágios registrados, a maioria no oeste da África, até 26 de novembro, segundo o último balanço da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O paciente recebe uma dupla medicação experimental à base de ZMab, similar à primeira geração do ZMapp, e de Favipiravir, tratamento japonês utilizado normalmente contra a gripe.

No começo do tratamento, Báez tinha fortes diarreias e por isso foi preciso hidratá-lo com fortes doses de até 12 litros de líquido diários, segundo um de seus médicos, entrevistado pela TV pública suíça RTS. Dias depois, seu estado parecia ter melhorado.

O paciente “não tem mais febre, se alimenta normalmente e conseguiu se sentar na poltrona” três dias depois de chegar ao hospital, informou na segunda-feira, 25 de novembro, o professor Jérôme Pugin, médico chefe do serviço de cuidados intensivos dos HUG.

Os hospitais de Genebra revelaram que o paciente estava em contato com a família. “Futuras análises deverão confirmar a evolução positiva”, acrescentaram.