Médico congolês recebe prêmio do Parlamento Europeu

Denis Mukwege recebeu o prêmio Sakharov 2014 por seu trabalho a favor das mulheres vitimas de violência sexual na República Democrática do Congo

Estrasburgo – O médico congolês Denis Mukwege recebeu nesta quarta-feira o prêmio Sakharov 2014 concedido pelo Parlamento Europeu, em reconhecimento por seu trabalho a favor das mulheres vitimas de violência sexual na República Democrática do Congo.

O presidente da Eurocâmara, Martin Schulz, afirmou que com este prêmio o Parlamento Europeu “reconhece o caráter notável de seu trabalho de médico e honra o homem que combate pela dignidade das mulheres, pela justiça e pela paz em seu país”.

Denis Mukwege, de 59 anos, é conhecido pela ajuda que concede às mulheres estupradas no leste da RDC. Fundou um hospital e criou uma fundação no bairro Panzi de Bukavu.

Mas seu combate o expõe. No dia 25 de outubro de 2012 escapou de uma tentativa de assassinato na qual um de seus funcionários morreu.

“O hospital Panzi, que fundou em Bukavu, converteu-se em refúgio para milhares de mulheres e meninas, vítimas de violência sexual e frequentemente obrigadas ao silêncio por medo de ser rejeitadas”, destacou Schulz.

“Encontraram ajuda ali e um apoio para recompor seus corpos mutilados e suas almas partidas”, acrescentou.

Aplaudido pelos eurodeputados, Denis Mukwege afirmou que este prêmio “concede visibilidade à luta das mulheres congolesas”.

“Em cada mulher estuprada vejo minha esposa, em cada avó estuprada vejo minha mãe, em cada menina estuprada vejo minhas filhas”, acrescentou, acompanhado durante a cerimônia por sua esposa.

O prêmio Sakharov à liberdade de consciência, chamado assim em homenagem ao cientista e dissidente soviético Andrei Sakharov, foi criado em 1988 pelo Parlamento Europeu para prestar homenagem a pessoas ou organizações que dedicaram suas vidas ou ações à defesa dos direitos humanos e das liberdades.

Em 2013 o Parlamento premiou a jovem paquistanesa Malala Yousafzai, militante fervorosa pela educação das meninas.