Implante cerebral poderá ajudar a curar soldados feridos

Um implante para o sistema nervoso em desenvolvimento pelos americanos visa reduzir a necessidade de remédios por parte dos militares

São Paulo – Uma nova tecnologia que ajuda a curar soldados feridos em guerras está sendo desenvolvida pelo governo dos EUA.

Ela consiste num implante que vai atuar no sistema nervoso periférico. Essa área do sistema nervoso é responsável por monitorar a condição dos órgãos e gerar sensações como a dor para sinalizar problemas. 

A ideia dos americanos é desenvolver um dispositivo do tamanho de uma fibra nervosa que, introduzido no corpo por uma agulha, gere estímulos que ajudem a manter o órgão saudável, reduzindo a necessidade de remédios e outras substâncias.

“Em vez de confiar apenas na medicação, imaginamos um sistema que funcionaria da mesma maneira que um pequeno marca-passo inteligente”, afirmou Doug Weber, diretor responsável pela iniciativa na Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (Darpa, na sigla em inglês) em texto publicado no site da agência.

Além de ajudar a manter o corpo sob controle, o novo dispositivo poderia colaborar no tratamento de distúrbios cerebrais e psicológicos – como epilepsia e depressão. De acordo com o governo dos EUA, a nova tecnologia estará disponível dentro de cinco anos.

Essa não é a única iniciativa da Darpa voltada para potencializar as ações dos soldados americanos. Na última semana, EXAME.com noticiou o desenvolvimento de propulsores a jato desenvolvidos por uma empresa privada em parceria com a agência.

Além disso, há notícias de que a Darpa também estaria trabalhando num implante para reverter a perda de memória.