FBI pede ajuda na web para decifrar código

Há 12 anos, o FBI tenta decifrar uma mensagem secreta que pode revelar o autor de um assassinato. Agora, a unidade de investigação pede ajuda ao público para isso

São Paulo — O FBI, a unidade de investigação de elite dos Estados Unidos, veio a público pedir ajuda para solucionar um caso que, há mais de uma década, intriga seus melhores peritos. Trata-se do assassinato de um homem em 1999. As únicas pistas encontradas foram duas anotações no bolso de suas calças. Os papéis, porém, estavam num código tão elaborado que ninguém conseguiu decifrá-lo.

De tão intrigante, o caso está no topo da lista dos grandes mistérios não resolvidos pela unidade de criptografia (Cryptanalysis and Racketeering Records Unit – CRRU). Para tentar elucidá-lo, o FBI tornou pública a história e divulgou as mensagens em seu site na esperança de que “um par de olhos frescos” consiga ter alguma ideia brilhante de como decifrá-las.

As pistas

Em 30 de junho de 1999, o escritório do xerife de Saint Louis, no estado de Missouri, encontrou o corpo de Ricky McCormick, 41 anos. Ele fora assassinado e jogado num campo. Num bolso de suas calças, foram encontradas duas notas criptografadas. As mais de 30 linhas utilizam uma variedade letras, números e sinais.

Segundo familiares, a vítima, que havia largado a escola no ensino médio mas sabia ler e escrever, usava esse código desde era garoto. Nenhum parente, no entanto, sabia como decifrá-lo. A polícia determinou que as mensagens haviam sido escritas no máximo três dias antes do crime.


O mistério continua

Apesar dos esforços da CRRU e da ajuda da Associação de Criptogramas Americana, o significado permanece um mistério – assim como o assassino de Ricky McCormick. O chefe da CRRU, Dan Olson, admitiu, no site do FBI, que precisa de ajuda. Quebrar o código, acreditam os policiais, poderia levar a informações sobre as atividades do homem pouco antes de ser morto – e, quem sabe, ajudar a revelar a identidade de seu assassino.

O FBI divulgou o código em março. Mas o interesse pelo assunto foi tanto que, agora, há uma página especial para quem acredita ter alguma pista. Quem quiser tentar decifrar o emaranhado de caracteres pode entrar nela e dar sua colaboração. Abaixo, um trecho da mensagem cifrada.

Reprodução

Depois que o FBI esgotou as tentativas de decifrar o texto, os investigadores decidiram pedir ajuda na web