Exposição de jovens a meios digitais aumenta risco de TDAH, diz estudo

As descobertas da revista da Associação Médica Americana lançam um alerta para os pais sobre o tempo que seus filhos passam em frente às telas

Um novo estudo divulgado nesta terça-feira aponta que o uso elevado de tecnologias digitais poderia estar ligado a um aumento “moderado” mas significativo de comportamentos relacionados com o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

As descobertas da revista da Associação Médica Americana (Jama) lançam um alerta para os pais sobre o tempo que seus filhos passam em frente às telas.

As revelações surgem de uma pesquisa realizada em um período de dois anos com cerca de 2.600 adolescentes de Los Angeles, em um dos estudos mais amplos sobre o tema até agora.

Quanto mais participam em redes sociais e chats online, veem vídeos na internet, baixam músicas ou fazem outras atividades do universo digital, os adolescentes são mais propensos a experimentar sintomas de TDAH. Por exemplo, dificuldades para organizar ou fazer tarefas ou problemas para ficar quietos.

Cerca de 10% dos jovens que normalmente usavam estas plataformas mostraram novos sintomas de TDAH durante o período do estudo.

Por outro lado, a porcentagem de estudantes que não faziam atividades digitais com frequência e mostraram sintomas de TDAH foi 4,6%.

Os pesquisadores advertiram que o aumento nos sintomas de TDAH pela exposição digital era “moderado”, e que alguns dos efeitos poderiam ser explicados por outros fatores.

Embora não se tenha podido provar que os telefones celulares causaram os transtornos, a pesquisa mostrou “uma associação estatisticamente significativa”, disse Adam Leventhal, professor de medicina preventiva e psicologia da Universidade de Southern California.

“Podemos dizer com segurança que os adolescentes que estiveram expostos a maiores níveis de consumo de meios digitais são significativamente mais propensos a desenvolver sintomas de TDAH no futuro”, acrescentou.