Fabricante de robôs produz vestíveis controlados pelo pensamento

Máquinas detectam impulsos elétricos fracos que correm pela pele quando o cérebro do utilizador envia a mensagem para que o membro se mova

Yoshiyuki Sankai, fundador da Cyberdyne, fabricante japonesa de um exoesqueleto-robô alimentado por bateria, disse que a empresa está firmando parceria com Kawasaki, uma cidade ao sul de Tóquio. A medida pretende explorar meios de expandir aplicações para seus robôs vestíveis, que são frequentemente utilizados em sessões de fisioterapia. As informações são do Phys.org.

Além do exoesqueleto, a Cyberdyne anunciou nesta quarta-feira (18) a produção de membros e articulações artificiais que podem ajudar idosos e deficientes em seu dia e dia e também trabalhadores industriais a levantar objetos pesados. As máquinas detectam impulsos elétricos fracos que correm pela pele quando o cérebro do utilizador envia a mensagem para que o membro se mova. O robô então se mexe exatamente em conjunto com o membro natural, mas oferece muito mais poder do que ele poderia exercer por conta própria.

“Queremos fazer uma tecnologia que realmente auxilie as pessoas”, disse Sankai, que também é professor de engenharia na Universidade de Tsukuba, a nordeste de Tóquio.

“Nós não queremos que as pessoas vejam os indivíduos vestindo nossos produtos e pensem ‘Nossa, deve ser tão difícil (viver com doenças)’”, disse Sankai. “Pelo contrário, queremos que as pessoas vejam o robô e digam ‘Uau, isso é fantástico’”, disse ele.