Defeito em foguete russo Soyuz causou falha em sistema Galileu

Comissão investigou a causa da colocação em órbita, em 25 de agosto, de dois satélites do Galileu, a rede de navegação destinada a competir com o americano GPS

O fracasso da posta em órbita de dois satélites do sistema de posicionamento global europeu Galileu, em agosto passado, foi provocado por um defeito no foguete lançador russo Soyuz, informou nesta quarta-feira uma comissão investigadora independente.

“Trata-se de um problema de desenho” dos tubos do foguete, que causou um congelamento no combustível, disse à AFP o presidente da Arianespace, Stephane Israel.

“Sabemos o que é preciso fazer para corrigir rapidamente” o defeito, acrescentou o encarregado, o que permitira programar um novo lançamento da Soyuz da Guiana Francesa, em dezembro.

A comissão independente investigou a causa da fracassada colocação em órbita, em 25 de agosto, de dois satélites do Galileu, a rede de navegação destinada a competir com o americano GPS.

O lançador russo não chegou a colocar os satélites 5 e 6 do sistema – que terá um total de 20 – na órbita circular prevista para 23.522 km/h.

Os satélites, ao contrário, ficaram em uma órbita elíptica 6.000 km mais abaixo que o previsto e o erro não pôde ser retificado.

Os especialistas determinaram que o problema aconteceu 35 minutos depois do lançamento, devido ao congelamento do combustível no quarto estágio do foguete Soyuz, denominado Fregat, o que provocou o problema de orientação.

Como faz atualmente o GPS americano, usado por motoristas em todo o mundo, o sistema Galileu permitirá aos usuários em terra se orientar com precisão, calculando em cada instante a distância exata entre um ponto determinado e três satélites do dispositivo. Segundo os europeus, seu sistema – quando estiver funcionando – será mais preciso que o GPS.