Como a tecnologia está redefinindo a relação médico-paciente

O uso da tecnologia na saúde vem trazendo, ao paciente, mais controle sobre seu tratamento e mais opções na hora de buscar um médico

São Paulo – O futuro da relação médico-paciente poderia ser resumido na fala final de um médico em uma consulta: “Entra neste site que ele vai te ajudar a entender melhor o seu problema e baixa esse aplicativo no seu celular para te ajudar no tratamento”.

A opinião é de Daniel Wjuniski, co-fundador e CEO do portal Minha Vida – site de saúde e bem estar que permite que o internauta encontre médicos e agende consultas. Para ele, a tecnologia contribui para amplificar a inteligência e a boa prática dos médicos em seu dia a dia. 

O site, que começou com indicações de médicos feitas pelos próprios pacientes, tem mais de 11 mil profissionais cadastrados e continua pedindo indicações. A ideia é que as pessoas se sintam seguras ao escolher um médico online.

O site Help Saúde oferece um serviço parecido. Lá, o internauta pode procurar um médico de acordo com a especialidade, disponibilidade de agenda e proximidade de sua casa ou trabalho. 

Além disso, após a consulta, as informações dos pacientes ficam registradas num prontuário digital que pode ser visto por outro médico que o paciente venha a consultar – até mesmo no exterior – com as principais informações traduzidas.

“Por exemplo, se um paciente estiver em férias na França e tiver um problema de saúde lá, o médico que o atender pode receber seu prontuário com as informações mais importantes (como doenças crônicas e alergias) traduzidas para o francês”, explica José Luiz Carvalho, CEO da NetCom, empresa responsável pelo site. 

Segundo Carvalho, a próxima etapa é fornecer, aos usuários, uma classificação dos médicos cadastrados. A ideia é usar a classificação que o Ministério da Saúde faz sobre a formação dos profissionais (graduação, pesquisas, pós-graduações, mestrados, etc) e também oferecer um espaço para o próprio médico apresentar seu currículo – tudo para ajudar o paciente a fazer a melhor escolha.

Tudo digital

Na mesma linha, o hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, utiliza da tecnologia para aproximar o paciente de seu próprio tratamento. O hospital disponibiliza informações sobre o atendimento e o tratamento de um paciente online. 

Os dados são protegidos por senha. Só o paciente e os médicos autorizados têm acesso a eles. No site do hospital, podem-se ver resultados de exames, medicamentos receitados e detalhes do tratamento. 

“Isso possibilita que o paciente tenha consciência de seu tratamento e possa debater com o médico os próximos passos”, explica Antônio Eduardo Antonietto Junior, gerente de relacionamento do hospital Sírio-Libanês. 

Segundo o médico, as informações sobre o paciente circulam em formato digital no hospital – de receitas a pedidos de exames e e resultados. “Até os médicos mais antigos e resistentes estão encontrando formas de se modernizar e se encaixar nesse modelo ‘paperless'”, afirmou. 

A prescrição eletrônica foi implantada no hospital em 2008. Naquela época, o médico fazia o pedido no papel e havia um transcritor que transferia as informações para o sistema. Aos poucos os médicos foram se adaptando e, hoje, 75% das prescrições feitas dentro do hospital são eletrônicas. Segundo Antonietto, a expectativa é de que, até o final de dezembro, não haja mais nenhuma prescrição em papel.

Antonietto, José Luiz Carvalho e Daniel Wjuniski falaram nesta segunda-feira no evento “Fórum EXAME Info – O Futuro da Saúde”, que aconteceu em São Paulo, sobre como o acesso à informação está mudando a relação entre médicos e pacientes.