Cientistas desenvolvem sistema que analisa fotossíntese do espaço

Quantificação do fenômeno é considerada vital para as pesquisas sobre a dinâmica do ciclo do carbono na Terra

Washington – Pesquisadores da Universidade de Sydney e da Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa) desenvolveram uma nova e revolucionária técnica para analisar a fotossíntese das plantas por meio de sensores remotos instalados em satélite, um sistema que pode ser usado para acompanhar a mudança climática.

A absorção de dióxido de carbono pelas plantas e sua conversão em açúcares através da fotossíntese é a base fundamental da vida na Terra.

A quantificação do fenômeno é considerada vital para as pesquisas sobre a dinâmica do ciclo do carbono terrestre.

Esse novo estudo, publicado nesta quinta-feira pela revista “Science”, utiliza o monitoramento via satélite para medir a fluorescência da clorofila induzida pelo sul, um subproduto da fotossíntese nas plantas. É possível relacionar os dados com várias áreas de diferentes vegetações e em diferentes períodos de tempo.

Os vínculos observados entre a fluorescência e a absorção de dióxido de carbono da planta abrem muitas aplicações potenciais para essa técnica, como, por exemplo, a análise de mudança dos ecossistemas e a conservação da biodiversidade.

Bradley Evans, coautor do estudo e professor titular da Escola de Ciências Ambientais e da Vida, colaborou com David Schimel, da Nasa, para desenvolver uma forma mais direta de medir o crescimento das plantas utilizando o Observatório de Carbono (OCO2) por satélite.

“Estamos realmente entusiasmados com nossos resultados e como estamos um passo mais perto de uma estimativa quantitativa dos fótons de luz resultantes da fotossíntese”, explicou.

“Também esperamos que nossos resultados ajudem a outros a quantificar melhor os fluxos de carbono, para que possamos entender mais sobre o clima e o ecossistema da Terra”, completou.

A pesquisa de Evans teve colaboração do Sydney Informatics Hub (SIH) e do Centro de Pesquisa Básica da Universidade de Sydney, dedicado à computação de alto rendimento, ciência de dados e estudos de acesso aberto.

“Esse trabalho é uma conquista muito impressionante, e a publicação em uma das revistas mais prestigiosas do mundo mostra a importância desses resultados”, disse o diretor do SIB, Dietmar Müller.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s