Cientistas descobrem planeta anão na borda do Sistema Solar

Localizado a 12 bilhões de quilômetros do Sol, novo planeta anão é formado por gelo, tem forma esférica e está sendo chamado de 2012 VP113

São Paulo – Um planeta anão foi descoberto por astrônomos americanos a 12 bilhões de quilômetros do Sol. A novidade saiu na edição de hoje da revista Nature, reconhecida publicação inglesa de ciência. Ainda sem nome oficial, o astro está sendo chamado de 2012 VP113.

De acordo com os cientistas, o novo planeta anão está localizado nos limites do Sistema Solar, na região da chamada Nuvem de Oort. A área reúne corpos gelados como Sedna, outro planeta anão descoberto há cerca de 10 anos. 

Imagina-se que 2012 VP113 tenha metade do tamanho de Sedna, seja formado por gelo e tenha forma esférica. Informalmente, o novo corpo celeste já foi apelidado de VP e até mesmo Biden – numa referência a Joe Biden, atual VP (vice-presidente) dos Estados Unidos.

Descoberta

Os astrônomos Chad Trujillo e Scott Sheppard descobriram Biden em novembro de 2012. Na ocasião, eles tiravam fotos do espaço a partir de um observatório no Chile com uma câmera com resolução de 520 megapixels e identificaram o planeta anão nas imagens.

Nas fotos feitas pelos cientistas, 2012 VP113 aparece em movimento no canto inferior direito.

A descoberta é importante por apontar um astro que gravita em torno do Sol a uma distância muito maior do que se poderia imaginar. E, em função disso, cientistas já começaram a formular hipóteses para explicar o porquê do fenômeno.

Hipóteses

Uma delas é de que, nos primeiros tempos do Sistema Solar, uma outra estrela teria atraído planetas anões como Sedna e Biden para regiões mais distantes – como a Nuvem de Oort.

Outra possibilidade é que o fenômeno aconteça por conta do choque destes corpos com um planeta maior, que os desviou de suas rotas e posições originais em algum momento.

Há ainda uma terceira hipótese: a de que exista nos limites do Sistema Solar um planeta de grande proporções desconhecido, capaz de fazer com que Sedna, Biden e outros corpos celestes orbitem em volta dele.

A resposta certa? Só o tempo dirá.