Cientistas comprovam existência de lulas voadoras

Assim como mísseis, estes moluscos se ejetam do mar lançando poderosos jatos de água à pressão, antes de posicionar suas nadadeiras como asas

Tóquio – Parece uma esquadrilha de drones, mas, na realidade, são pequenas lulas, que conseguem voar a mais de 11 metros por segundo para fugir de seus predadores.

Assim como mísseis, estes moluscos se ejetam do mar lançando poderosos jatos de água à pressão, antes de posicionar suas nadadeiras como asas, explica Jun Yamamoto, da Universidade de Hokkaido, em estudo japonês publicado na revista Marine Biology.

A velocidade dessas lulas é ainda mais do que a do homem mais rápido do planeta: Usain Bolt percorreu 10,31 metros por segundo durante os Jogos Olímpicos de Londres em 2012.

“Até agora, só havia testemunhos e rumores e ninguém sabia exatamente como estes animais faziam para voar, mas finalmente temos provas”, afirmou Yamamoto, baseando-se em fotos.

Numa dessas fotos, se vê cerca de 20 lulas voando em formação.

Em julho de 2011, Yamamoto e sua equipe acharam um grupo de 100 lulas em pleno Oceano Pacífico, a uns 600 km de Tóquio. Quando seu barco se aproximou, os pequenos moluscos de 20 centímetros de saíram disparados como foguetes.

“Depois de lançarem um jato de água, elas começaram a voar graças a suas nadadeiras”, indica a equipe de Jun Yamamoto em um relatório.

Segundo Yamamoto, elas permanecem no ar durante uns três segundos percorrendo uma distância de aproximadamente 30 metros.

“Ao cair, recolhem as nadadeiras para amortecer o choque, e entram na água de forma aerodinâmica”, afirma o relatório.


“Também descobrimos que esta lula não se limita a sair da água, também tem uma posição aerodinâmica muito elaborada para voar”, prossegue.

Ao planar, a luta visa a fugir de um possível predador, mas, segundo os autores do estudo, também pode ficar a mercê de outros predadores, os pássaros marinhos.

Há apenas um mês, outros cientistas japoneses, assim como cadeias de televisão do Japão e dos Unidos, anunciaram ter filmado pela primeira vez uma lula gigante a 900 metros de profundidade no Oceano Pacífico.

O mítico molusco, de cor prateada, foi filmado em 10 de julho de 2012 por uma equipe do Museu Científico Nacional japonês em colaboração com a cadeia pública japonesa NHK e o Discovery Channel.