Cavernas na Patagônia podem explicar formação do continentes

Cientistas se depararam com pinturas nas paredes e fragmentos de ossos deixados pelo povo indígena Kawesqar que podem ajudar a datar as cavernas

Santiago – Cientistas chilenos e franceses descobriram uma rede de cavernas subterrâneas em uma ilha remota da Patagônia que pode fornecer pistas valiosas sobre como os continentes foram formados.

O grupo encontrou o sistema de cerca de 20 cavernas de pedra calcária esta semana, durante uma viagem de pesquisa à ilha de Diego de Almagro, na costa sudeste do Chile.

Os cientistas tiveram que fazer rapel e mergulhar para entrar nas cavernas, algumas das quais têm cerca de 50 metros de profundidade, e se depararam com pinturas nas paredes e fragmentos de ossos deixados pelo povo indígena Kawesqar que podem ajudar a datar as cavernas.

“Dá para fazer modelos de áreas onde os continentes se partiram, e este pode ser um destes lugares”, disse a espeleóloga Natalia Morata.

A expedição é a mais recente de uma série da associação francesa Centre Terre, que descobriu nas cavernas tipos de rocha normalmente encontrados em zonas mais temperadas. Isso pode dar pistas sobre como os continentes se separaram.

Os cientistas acreditam que os continentes se movem graças às placas tectônicas, e que o mapa da Terra era muito diferente milhões de anos atrás.