Canadense pode ter sido exposto ao ebola em laboratório

Ele estava trabalhando com porcos infectados e notou uma "abertura" na costura do seu traje de proteção durante os procedimentos de descontaminação

Um pesquisador foi “potencialmente exposto” ao vírus do ebola no Centro Nacional de Doenças de Animais Estrangeiros do Canadá, em Winnipeg, anunciaram autoridades nesta terça-feira.

Ele estava trabalhando com porcos infectados com ebola em um laboratório de contenção de nível quatro na segunda-feira por volta das 14h (hora local) e notou uma “abertura” na costura do seu traje de proteção durante os procedimentos de descontaminação, depois de sair da sala.

O vestuário era novo, segundo as autoridades.

O diretor da Agência Canadense de Inspeção de Alimentos, John Copps, disse que os procedimentos de emergência foram seguidos e o risco para os canadenses era baixo.

Foi oferecida ao pesquisador, cujo nome não foi revelado, uma vacina experimental contra o ebola usada com sucesso durante um surto na África.

O indivíduo não apresentou sintomas e permaneceria isolado sob observação durante 21 dias, disse Copps.

O vírus do ebola é transmitido pelo contato com fluidos corporais, e causa sintomas como febre, dores no corpo, vômitos, diarreia e hemorragias.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o ebola matou até 90% dos infectados durante alguns surtos, embora a chance média de sobrevivência seja de cerca de 50%.

Uma epidemia de 2014 matou mais de 11.000 pessoas na África Ocidental.