Brasileiro de 90 anos cria sistema para medir pressão intracraniana

O físico e químico Sérgio Mascarenhas criou um método não invasivo para medir a pressão do cérebro e fundou uma startup, a Braincare, para difundi-lo

Aos 77 anos, em 2005, o cientista Sérgio Mascarenhas foi diagnosticado com hidrocefalia, um acúmulo de líquido no cérebro.

Por conta da doença, precisou medir sua pressão intracraniana (PIC). Para realizar o procedimento, chamado de craniotomia, é necessário fazer um furo na cabeça para colocar um sensor.

Inconformado com a situação, Mascarenhas pensou em uma invenção que pudesse tornar o processo menos invasivo.

Mascarenhas é físico e químico e tem uma longa carreira como pesquisador na área de medicina na USP de São Carlos. Com ajuda de alguns alunos, o professor, que hoje está com 90 anos, começou a estudar um jeito de melhorar a forma como se faz o procedimento.

Até pouco tempo, acreditava-se que a estrutura do crânio era totalmente rígida e, por isso, seria impossível medir sua pressão do lado de fora, sem um método invasivo.

No desenvolvimento de sua pesquisa, Mascarenhas provou o contrário, que o crânio é expansível e, por isso seria possível medir sua pressão do lado de fora. Para desenvolver um novo método, o pesquisador se inspirou na engenharia.

“Se você tem uma viga de aço ou de concreto, você mede a pressão colocando um chip eletrônico. Eu pensei que se eu colocasse um chip desse na cabeça, sem precisar da craniotomia, poderia medir a deformação”, explica o cientista.

Depois de muita pesquisa e muitos testes, em 2016, surgiu a Braincare, empresa que comercializa um dispositivo que mede a PIC de forma não invasiva. O produto é composto por uma faixa que carrega sensores que medem a pressão e um monitor que mostra os resultados do exame.

Sérgio Mascarenhas desenvolvendo testes para o Braincare Sérgio Mascarenhas desenvolvendo testes para o Braincare

Sérgio Mascarenhas desenvolvendo testes para o Braincare (Braincare/Divulgação)

Por meio de uma tecnologia sem fio, os dados são enviados para uma nuvem, onde o médico pode ter acesso a um histórico do paciente e emissão de relatórios sobre a saúde do paciente. O serviço completo com instalação do sistema, treinamento e suporte online e telefônico custa 3.500 reais por mês.

O dispositivo já está sendo usado em alguns hospitais ligados a universidades pelo país e recentemente foi implantado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O sistema já foi testado em mais de 50 pesquisas. No entanto, para atingir um público maior, o empreendedorismo se mostrou uma opção eficiente.

Até agora, a empresa captou 5 milhões de dólares para colocar o sistema em prática. No ano passado, foi uma das empresas aceleradas pela Singularity University.

Plínio Targa, CEO da Braincare, afirma que a empresa foi selecionada pela aceleradora americana porque dispositivo poderá impactar até 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo.

“Nós ficamos muito surpresos e, por isso, o nosso compromisso é com a saúde global de estabelecer o acesso a esse sinal vital que é a pressão intracraniana, é uma informação clínica extremamente relevante”, diz Targa. A orientação para quem deseja investir na Braincare é estar alinhado com esta missão.

Além de ser aplicado em casos de hidrocefalia, o método pode ajudar na detecção de aneurismas, pré-eclâmpsia (pressão alta durante a gravidez) e monitoramento da qualidade de hemodiálise.

“Nós estamos muito esperançosos de que essa vai ser uma invenção brasileira muito útil a nível global. Com a pressão intracraniana, é possível ver o que está acontecendo dentro do cérebro”, diz Mascarenhas.

O pesquisador tem muito orgulho de sua invenção. “É um caso de sucesso do qual eu me orgulho muito, uma doença maldita gerou um resultado bendito”, afirma.

Para ele, o futuro do país está no investimento em educação, ciência, tecnologia e no empreendedorismo. “Esses pontos são importantes para transformar o que está dentro do laboratório e levar para a sociedade. A missão do cientista é se apoderar da investigação da natureza e transformá-la em inovação para ampliar as possibilidades da vida humana e da própria natureza.”