“Bóson de Higgs me custou 100 dólares”, diz Hawking

Físico apostou com colega que partícula fundamental não seria encontrada

O físico britânico popstar Stephen Hawking estava torcendo para que o bóson de Higgs, partícula que ajudaria a explicar como outras recebem massa, não fosse encontrado. Em setembro de 2008, apostou 100 dólares com outro físico — Gordon Kane, da Universidade de Michigan, nos EUA — dizendo que o Higgs não seria encontrado. Hawkings, ao que tudo indica, perdeu.

Cientistas do LHC, o maior colisor de partículas do mundo, que fica na fronteira entre a França e a Suíça, anunciaram a descoberta de uma nova partícula fundamental da matéria que tem todo o jeito de ser o procuradíssimo bóson de Higgs. O próprio Peter Higgs, físico britânico que propôs a partícula na década de 1960, presente durante o anúncio, comemorou. “Acho que o encontramos”, disse.

“É um resultado importante e deveria ser premiado com o Nobel”, disse Hawking em uma entrevista à rede britânica BBC. “Contudo, não deixa de ser uma pena porque os grandes avanços na física vieram de experimentos que deram resultados que não esperávamos”, continuou o físico. “Por causa disso, apostei com Gordon Kane que a próxima partícula não seria encontrada. Parece que acabei de perder 100 dólares.”

Saiba mais

Bóson de Higgs

O bóson de Higgs é uma partícula subatômica prevista há quase 50 anos. Após décadas de procura, os físicos ainda não conseguiram nenhuma prova de que ela exista. O Higgs é importante porque a existência dele provaria que existe um campo invisível que permeia o universo. Sem o campo, ou algo parecido, nada do que conhecemos existiria. Os cientistas não esperam detectar o campo — em vez disso, eles esperam encontrar uma pequena deformação nele, chamada bóson de Higgs.