Bombardeios do regime sírio danificaram fortaleza de Palmira

Desde segunda-feira, a aviação síria lançou pelo menos 13 barris explosivos sobre a área inscrita no patrimônio mundial da Humanidade

Intensos bombardeios do regime sírio danificaram a fortaleza da famosa cidade antiga de Palmira, no centro da Síria, informaram nesta quinta-feira um especialista em arqueologia e um militante.

Desde segunda-feira, a aviação síria lançou pelo menos 13 barris explosivos sobre a área inscrita no patrimônio mundial da Humanidade, indicou Sheikmus Ali, membro da Associação para a Proteção da Arqueologia Síria.

“Nós não podemos avaliar a extensão dos danos, mas está claro que os bombardeios danificaram algumas partes da fortaleza”, declarou Ali à AFP.

O exército sírio tenta recuperar Palmyra, que está nas mãos do Estado Islâmico (EI) desde maio. Os jihadistas cravaram sua bandeira negra na fortaleza Fajr al-Din al-Maani, do século XIII, situada no noroeste da cidade.

O regime de Bashar al-Assad, que recentemente recebeu aviões de guerra russos, intensificaram seus bombardeamentos sobre a cidade, matando dezenas de pessoas nos últimos dias.

De acordo com Khaled al-Homsi, um ativista de Palmira, os bombardeios do regime causaram danos em 25% das muralhas da fortaleza.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos confirmou os danos causados ​​pela aviação o regime.

Desde que assumiu Palmira, o EI destruiu os tesouros da cidade antiga, como os famosos templos de Bel e Baal-Shamin e a estátua do Leão de Athena, uma obra única de mais de três metros de altura.

Antes do início da guerra civil síria, há quatro anos, 150.000 turistas visitavam Palmira a cada ano.